É a primeira produção Brasil, China e Japão

Longa sinaliza tendência de co-produções internacionais do atual cinema brasileiro

Flávia Guerra, O Estadao de S.Paulo

24 de abril de 2008 | 00h00

Plastic City une pela primeira vez a força produtiva do cinema chinês, brasileiro e japonês. É caso inédito, mas não único de co-produção internacional entre Brasil e exterior quando o assunto é o novo cinema novo. A lista de parcerias entre cineastas nacionais com internacionais cresce a cada dia.Em fase de preparação, integra a lista a atriz Lucélia Santos, que deve rodar Um Amor no Outro Lado do Mundo, seu primeiro trabalho como diretora de ficção em parceria com a da Diler e Associados, na China e no Brasil. Em fase de realização pode-se citar À Deriva, que Heitor Dhalia dirige atualmente em Búzios. O longa estrelado por Vincent Cassel é o primeiro filme que a O2 Filmes produz com americana Focus (o braço independente da Universal). Birdwatchers, do italiano Marco Bcchis, também da Gullane, foi recentemente filmado no Mato Grosso. O longa, co-produzido com a italiana Classic, está em pós-produção e conta a história da dominação da região fronteirissa entre Brasil, Paraguai e Argentina pelos grandes agricultores de soja, que cada vez mais se apropriam da terra que por muito tempo foi habitada pelos índios caiovás.Agrega-se à lista de filmes já finalizados, o ainda inédito Blindness, de Fernando Meirelles, co-produção entre Brasil, Canadá e Japão. Recentemente, Brasil e Itália também tiraram do papel um tratado de co-produção que datava dos anos 70, mas que nunca havia sido utilizado. O diretor Marcos Jorge e a produtora Cláudia da Natividade se uniram aos italianos da Indiana e realizaram Estômago. A fábula nada infantil com pitadas do cinema fantástico de Fellini é brasileira em território nacional. ''Mas na Europa, somos um filme europeu. Isso ajuda na hora de fechar contratos para venda e distribuição'', comenta Cláudia, contente em ter estreado Estômago ao mesmo tempo no Brasil e na Bélgica. ''Agora, vamos exibir em outros festivais e colocá-lo em cartaz no restante da Europa'', completa Jorge.E mais parcerias vêm por aí. Andrucha Waddington filma seu novo longa, sobre o artista espanhol Lope de Vega, em janeiro de 2009 em parceria com a Espanha, orçado em 12milhões de euros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.