Duas Caras, duas fés

Trama unirá evangélicos e umbandistas

Keila Jimenez, O Estadao de S.Paulo

28 de setembro de 2007 | 00h00

Duas Caras, próxima novela das 9 da Globo, levará ao ar uma dualidade religiosa que deve causar polêmica. Dividirão a cena e os adeptos na mesma história um terreiro de umbanda e um culto evangélico. A idéia do autor Aguinaldo Silva é mostrar as religiões predominantes no morro e como elas se relacionam.''''É fato que em cada esquina em uma favela há uma igreja pentecostal, um culto evangélico, como há muitas mães-de-santo também'''', justifica Aguinaldo. ''''As duas religiões terão a mesma importância na trama, tendo personagens dos dois lados'''', continua. ''''Elas terão uma relação pacífica, assim como é na favela.''''Chica Xavier será a mãe-de-santo Dona Setembrina na favela ficcional Portelinha. Já o líder evangélico, o Pastor Lisboa, será vivido por Ricardo Blat. Ambos estão fazendo visitas a cultos evangélico e rituais de umbanda.O autor sabe que seguidores de ambas as religiões estarão de olho na novela, e já está pronto para encarar as críticas. ''''Mexer com religião sempre é complicado, mas pretendo fazer tudo de forma respeitosa'''', diz. ''''Agora, polêmica sempre vem.''''

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.