Duas boas opções na TV paga. E dá tempo de assistir a ambas

Luiz Carlos Merten

, O Estadao de S.Paulo

18 de dezembro de 2008 | 00h00

Você pode escolher entre Dama por Um Dia, a versão de 1933, com Mary Robson e William Wilson, que o próprio diretor Frank Capra refez nos anos 1960, com Bette Davis e Glenn Ford, e O Homem do Ano, de José Henrique Fonseca, adaptado da história de Patricia Mello sobre Máiquel, O Matador. O primeiro passa às 20h10 no Telecine Cult. O segundo, às 22 horas no Canal Brasil. Dá tempo de assistir aos dois.A história de Dama por Um Dia é puro Capra - sobre florista que esconde a condição humilde da filha e toma um choque quando a garota anuncia que está chegando para lhe apresentar o noivo ricaço. Em desespero, a velha florista pensa até em se matar, mas encontra um gângster de bom coração, que banca sua transformação e faz dela a dama por um dia do título.O remake, de 1931, foi o último filme de Capra, enquanto a primeira versão antecede a penca de Oscars que ele ganhou nos anos 30 e 40, por Aconteceu Naquela Noite, O Galante Mr. Deeds e Do Mundo nada Se Leva. O Homem do Ano está no oposto desse cinema dos bons sentimentos. Máiquel, o assassino, vira o homem do ano porque a sociedade necessita de exterminadores como ele, para se sentir segura. Máiquel é Murilo Benício, o Dódi da novela A Favorita. Burro, mané, Dódi está para ser assassinado por estes dias na trama das 8. Nunca houve durão mais mole, e o público se diverte com Dódi por isso. O Homem do Ano revela outra face do ator, mas o homem do ano continua se dando mal para que Benício, sim, se dê bem, mostrando seu talento na construção de personagens.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.