Dois ícones da virada do século

Bronislava Nijinska e Balanchine são destaques no 2.º programa da São Paulo Companhia de Dança

Livia Deodato, O Estadao de S.Paulo

06 de novembro de 2008 | 00h00

A princípio, o carioca Paulo Caldas ficou receoso com o convite de coreografar a jovem São Paulo Companhia de Dança. Ele, acostumado que está em desenhar movimentos para corpos na faixa dos 40, agora era desafiado a impor limites para outros que não ultrapassam os 25. Pegou a ponte aérea, deu um pulo até a Oficina Cultural Oswald de Andrade, sede do grupo, observou por poucos dias o corpo de baile e selecionou quatro bailarinos (Ana Paula Camargo, Irupé Sarmiento, Samuel Kavalerski e Yoshi Suzuki), "por afinidade com a sua maneira de mover". A evolução do trabalho inspirado no filme Entr?acte, de René Clair (1924), que contou com uma intensa e criativa colaboração desses jovens, surpreendeu Caldas. E tem sua pré-estréia hoje em um Entreato.O belga Ben Huys foi despachado no fim de setembro para São Paulo, encarregado de remontar e supervisionar Serenade, coreografia criada pelo russo George Balanchine em 1935 para o Balé Americano, sob pano de fundo sonoro de Tchaikovsky. Voltou no dia 29 de outubro para dar os ajustes finais. E não disfarçou suas impressões a uma semana da estréia do segundo programa, que será apresentado neste fim de semana no Teatro Sérgio Cardoso e no fim do mês no Teatro Alfa. "É um grupo novo, que ainda precisa encontrar a própria voz", disse Huys, que há sete anos integra a equipe de ?restauração? do The George Balanchine Trust, instituição fundada em Nova York em 1987 com o objetivo de "preservar e proteger" o legado do mestre do balé moderno. "Os bailarinos são muito bons e sei da dificuldade que é acompanhar a evolução de uma peça de Balanchine, principalmente no que diz respeito à velocidade", justifica.A neta da lendária Bronislava Nijinska, Natalie Raetz, defende a opinião mais apaixonada de todos os coreógrafos convidados. "Eu já vi tantas outras montagens para comparar e, sem dúvida, essa é a melhor dentre centenas", afirma. "O que mais me impressiona é o entusiasmo dos bailarinos. O trabalho está excelente." Les Noces, balé de quatro movimentos cuja estréia se deu em 1923 com os Balés Russos em Paris, é embalado pelos fortes acordes de Igor Stravinski e detalha os preparativos de um casamento: a bênção da noiva, do noivo, a despedida da noiva da casa dos pais e o aguardado dia. À portuguesa Maria Palmeirim foi confiado o trabalho da remontagem que conta com a participação de 36 bailarinos (e não de 42, como foi na estréia mundial da coreografia).Independentemente da opinião dos coreógrafos convidados sobre o empenho e a conseqüente atuação dos bailarinos da São Paulo Companhia de Dança alguns dias antes da estréia, o novo programa que agora apresentam atende a todos os gostos, do balé neoclássico ao flerte com o moderno, divididos por um entreato contemporâneo. Oportunidade única de conferir coreografias de grande relevância no cenário, que marcaram história por terem sido coreografadas e interpretadas por algumas das maiores personalidades que o universo da dança já viu. "Antes mesmo de realizarmos as audições, eu já tinha em mente trazer peças de Nijinska e Balanchine, ícones da virada do século", diz Iracity Cardoso, diretora artística da companhia.Houve certa dificuldade em convencer os detentores dos direitos das coreografias, ainda mais quando o material de apresentação da São Paulo Companhia de Dança era escasso ou mesmo inexistente. "Para a Balanchine Foundation eu enviei a nossa aula inaugural coreografada. Pouco depois, fui até Nova York conversar pessoalmente." Os valores impostos pelas instituições para as respectivas remontagens Iracity não divulga. "Foi muito negociado e, olha, não é nada absurdo." ServiçoSão Paulo Cia. de DançaTeatro Alfa (1.100 lug.). Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722, Santo Amaro, tel. 5693-4000. Hoje a sáb., 21 h; dom., 18 h. Ingressos de R$ 30 a R$ 80Teatro Sérgio Cardoso (800 lug.). Rua Rui Barbosa, 153, Bela Vista, tel. 3288-0136. De 20 a 23/11. R$ 20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.