Divulgados os finalistas do 51.º Prêmio Jabuti

Entre os indicados, colaboradores do ?Estado? como o romancista Milton Hatoum e a pesquisadora Lilia Moritz Schwarcz

Ubiratan Brasil, O Estadao de S.Paulo

22 de agosto de 2009 | 00h00

O primeiro passo para a definição dos vencedores do 51º Prêmio Jabuti, o mais prestigioso da literatura nacional, foi dado na tarde de quinta-feira, com o anúncio dos finalistas de 21 categorias. De romance a tradução, passando por categorias técnicas (como arquitetura e informática), foram divulgados os nomes de dez candidatos em cada uma.Confira os principais concorrentesEntre os indicados, estão dois livros de profissionais do Grupo Estado: Casadas com o Crime (Ed. Letras do Brasil), de Josmar Jozino, repórter do Jornal da Tarde, que concorre na categoria reportagem; e Ping Pong - As Aventuras de Um Jornalista Brasileiro pela China Olímpica (Ed. Artepaubrasil), de Felipe Machado, editor de multimídia do site estadao.com.br, que concorre na categoria contos e crônicas.A lista engrossa com a classificação de colaboradores, como o escritor Milton Hatoum, cronista do Caderno 2, que é um dos finalistas na categoria romance com a obra Órfãos do Eldorado (Companhia das Letras). A partir do relato de um velho com fama de louco, o livro traz a história de um amor impossível cujo pano de fundo é a mitológica região amazônica.Hatoum concorre com pesos pesados - Galileia (Objetiva), de Ronaldo Correia de Brito, e A Parede no Escuro (Record), de Altair Martins, foram recentemente laureados com o Prêmio São Paulo de Literatura, cada um faturando R$ 200 mil (o Jabuti oferece R$ 3 mil). Também na disputa está Carola Saavedra, que já recebeu o prêmio de melhor romance pela Associação Paulista de Críticos de Arte, a APCA, por Flores Azuis (Companhia das Letras).Entre os contistas e cronistas, Felipe Machado vai enfrentar Ruy Castro e seu 101 Crônicas - Ungáua! (Publifolha), além de Rasif (Record), de Marcelino Freire, e O Silêncio dos Amantes (Record), da veterana Lya Luft.Veterano nas premiações, Ferreira Gullar novamente concorre entre os poetas, com a obra Ferreira Gullar: Poesia Completa, Teatro e Prosa (Nova Aguilar), livro que o deixou emocionado. "É uma forma de reconhecimento para o autor", disse, em entrevista no fim do ano passado.Ele vai enfrentar concorrentes de peso como Eucanaã Ferraz, autor de Cinemateca (Companhia das Letras), e Glauco Mattoso e seu A Letra da Ley (Annablume).A categoria reportagem traz, além de Josmar Jozino, outros colabores do Estado. Como João Marcos Coelho, colaborador do Cultura, que concorre com No Calor da Hora: Música e Cultura nos Anos de Chumbo (Algol). Correndo por fora, está Vanessa Bárbara, que fez extensa pesquisa na Rodoviária do Tietê para escrever O Livro Amarelo do Terminal (Cosac Naify). A disputa, porém, não será fácil, pois todos concorrem com Zuenir Ventura e seu 1968 - O Que Fizemos de Nós (Planeta).Já o crítico de música erudita do Estado Lauro Machado Coelho é um dos concorrentes na categoria biografia, com Anna: A Voz da Rússia - Vida e Obra de Anna Akhmátova (Algol), sobre a mais popular poeta russa do século 20. O livro também concorre entre como melhor capa.Ainda entre os biógrafos, o extenso e paciente trabalho de Humberto Werneck foi recompensado pela indicação para O Santo Sujo: A Vida de Jayme Ovalle (Cosac Naify), obra já premiada pela APCA. E mais um colaborador do Cultura está na disputa: Lilia Moritz Schwarcz, com O Sol do Brasil (Companhia das Letras).Entre os tradutores, a disputa será acirrada, com concorrentes como Paulo Bezerra e sua minuciosa versão de Os Irmãos Karamázov (Editora 34), além do caudaloso trabalho de Irene Hirsch e Alexandre Barbosa de Souza em Moby Dick (Cosac Naify).A segunda fase do julgamento ocorrerá no dia 29 de setembro, quando serão revelados o primeiro, segundo e terceiro colocados em cada uma das categorias. A grande cerimônia, porém, está prevista para o dia 4 de novembro, quando, numa festa na Sala São Paulo, serão conhecidos os melhores livros do ano em ficção e não-ficção, cada um faturando R$ 30 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.