Direto da fonte

Clinton: salvação da Amazônia é econômicaBill Clinton se sentiu absolutamente à vontade segunda-feira, em jantar na casa de Milú Villela, para cerca de 40 pessoas, contatadas por Nizan Guanaes - todas devidamente "encrachazadas". Tanto que não vacilou em dizer à plateia, com todas as letras, que a preservação da Amazônia passa necessariamente por encontrar um valor econômico para que a floresta seja mantida em pé. Coisa que político algum se arrisca a dizer com clareza.À frente da Clinton Global Iniciative, o ex-presidente aceitou participar do evento (onde não jantou, fazendo isto mais tarde na companhia de FHC) interessado em divulgar seu instituto, voltado, principalmente, para a defesa do meio-ambiente. E ao começar sua fala, antecedida por bem costurada apresentação de Ricardo Villela, mostrou o habitual senso de humor: "Não sei como vocês vão prestar atenção em mim com tanta obra de arte bonita nesta casa."Brincadeiras à parte, o marido de Hillary confessou estar saturado de discussões sobre o que deve ser feito ou não no meio-ambiente. "Temos que nos concentrar em como fazer - e é a isso que o instituto tem se dedicado", alertou, citando como exemplo o apoio dado à implantação do sistema de água em Zimbábue. "No mundo existem os ?donos? e os ?fazedores?. Estou na segunda categoria", ponderou. Clinton respondeu a várias questões - mas, curiosamente, ninguém perguntou sobre... Barack Obama. E passou boa parte do tempo trocando ideias com o ainda embaixador Clifford Sobel e com o ex-CEO da Alcoa, Alain Belda. No grupo, somente seis mulheres. Mas foram elas as responsáveis pela maior parte das perguntas. Ana Diniz quis saber por que um livro dele, sobre iniciativas transformadoras, não foi traduzido para o português. "É que minha biografia vende muito mais", brincou ele. E ao conversar com a cientista Lygia Pereira da Veiga, mostrou um conhecimento inesperado: "É você que está estudando a síndrome de Marfan (doença genética rara)? Parece que o Lincoln morreu disso". E foi Patricia Villela quem mencionou o tema da educação, o que animou Clinton a fazer longos elogios a FHC e ao programa Bolsa-Escola. Por perto, Beto Sicupira, Pedro Moreira Salles, Binho Ometto e Moise Safra, entre outros, limitaram-se a ouvir. O desafio do PSDBDe bom humor, diante de 200 das 250 pessoas que pagaram R$ 1.000 pelo convite, José Serra apontou anteontem, em jantar do partido, o grave problema dos governos tucanos: a incapacidade de comunicar ao eleitorado o que estão fazendo. Perto dali, dividindo a mesma mesa, Geraldo Alckmin e Aloysio Nunes Ferreira pareciam ter combinado dar a mesma resposta sobre suas candidaturas para 2010: "Não é hora de falar do assunto." O desafio 2José Henrique Reis Lobo, presidente do partido e patrocinador da noite, que teve até presença de Gilberto Kassab, disse que o PSDB "é um partido que não tem donos". E que, se Serra não for candidato em 2010 "será o Aécio, se não for o Aécio será o Tasso, ou o Sergio Guerra (...) porque o PSDB tem quadros preparados para ocupar a Presidência".Passando o chapéuOs produtores do filme sobre a vida de Lula batalham para fechar o orçamento. Estão batendo à porta de empresários para arrecadar mais R$ 6 milhões - para pós produção, comercialização e lançamento. "Estamos sendo bem recebidos, mas a situação está difícil", diz a produtora do filme, Paula Barreto.Caça à caixaNa busca da caixa-preta do Airbus 320, a tecnologia terá papel crucial. A Air France deverá recorrer a robôs com sensores especiais, que se orientam eletronicamente no fundo do mar.E que tiveram pleno êxito nas pesquisas do Titanic. Espeto Depois de saborear um suculento baby beef, anteontem, na Figueira Rubaiyat, FHC confessou a Bill Clinton: era o seu "bife do mês". Recomendação médica.Esporte bretão De olho na Câmara em 2010, Orlando Silva, do Esporte, reuniu anteontem estrelas do esporte, da política e do PCdoB na noite de seus 38 anos. Viviane Senna, Ivan Zurita, Emerson Fitipaldi, Hortência, Paulo Vanucchi... até Gilberto Kassab apareceu. Mas a estrela da noite foi a primeira-dama Marisa Letícia. Entre os convidados, circulando de roda em roda, o corintiano Andrés Sanchez explicava aos curiosos: "Ronaldo foi um investimento que saiu de graça".Na frenteO comissariado do Ano da França no Brasil solicitou que nos eventos se manifeste solidariedade às famílias das vítimas do voo 447 da Air France. Registrado: Bill Clinton só se levantou, na reunião de anteontem, para cumprimentar Donata Meirelles, também à mesa do ex-presidente.Será votado hoje, em comissão do Minc, o futuro de animais usados em circo. A classe circense briga por uma lei federal, mas as ONGs querem a proibição total da exploração.A cantora Patty Ascher é a atração brasileira do jantar da Apex, hoje, na França.Acontece hoje, no Terraço Daslu, o II Leilão de Vinhos organizado pela Apae. Amir Slama fechou parceria com a Gallo em projeto que une gastronomia à moda. Barros Munhoz, presidente da Assembleia, gritou tanto em seu discurso no jantar do PSDB que saiu com o apelido de "Berros Munhoz". Direto da fonteColaboraçãoDoris Bicudo doris.bicudo@grupoestado.com.brGabriel Manzano Filho gabriel.manzanofilho@grupoestado.com.brPedro Venceslau pedro.venceslau@grupoestado.com.brMarília Neustein marilia.neustein@grupoestado.com.brProduçãoElaine Friedenreich

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.