Direto da fonte

Líquido e incertoLula está convencido de que é necessário dar garantias maiores para os bancos voltarem a emprestar. No entanto, esbarra em dificuldades legais. Para colocar a idéia em prática, como já fez os EUA, ela teria que ser aprovada no Congresso. E é aí que mora o perigo. Todos têm pesadelo em imaginar o que poderia acontecer com este tipo de medida transitando pelas duas Casas. E análises jurídicas dão conta de que uma super-garantia não pode ser autorizada simplesmente por meio de Medida Provisória.Um novo confronto com os associados da Febraban está descartado. Aconselhado pelo ministro Guido Mantega, no começo da semana, Lula aceitou comprar a briga. Não funcionou, já que o medo dos bancos em emprestar - sem segurança ou garantias - é maior do que o medo que têm de Lula.Conversa necessáriaA briga entre bancos e empresas que fizeram contratos de derivativos fica mais feia a cada dia que passa. Há quem defenda um acordo entre as partes. Afinal, não interessa aos bancos quebrar uma empresa e não interessa a nenhuma empresa quebrar um banco. Jairo Saddi, do Ibmec-SP, chega até a lembrar do caso, emblemático, da Procter & Gamble contra o Bankers Trust (hoje, Deutsche Bank). O prejuízo da Procter, que seria de US$ 100 milhões, acabou, em acordo, em US$ 30 milhões.Melhor um mau acordo do que uma boa briga.Funcionária do mêsLíder do PT na Câmara, Henrique Fontana jura, de pé junto, que não tem nada com o pedido feito por seu gabinete para que a biblioteca da Casa verifique a possibilidade de um terceiro mandato para Lula. A demanda seria de uma sua funcionária, para... um trabalho acadêmico.O disse que não disse, disse?Ciro Nogueira, candidato do baixo clero à presidência da Câmara, avisa: não aceitará cargo do Planalto para desistir da disputa com Michel Temer. "Se eu aceitasse a ?permuta?, como iria encarar os deputados?" O deputado - que está sendo comparado a Severino Cavalcante - acredita que a suposta proposta de Lula foi plantada para enfraquecer sua candidatura...Ponto de vistaAo ser indagado ontem sobre como estava vendo o tsunami financeiro mundial, Abílio Diniz não titubeou: "Uns choram com a crise, outros vendem lenços, como nós...".Paes de DeusO apoio de Marcelo Crivella a Eduardo Paes, no Rio, não será só verbal. Amanhã, a dupla deve visitar a Catedral Mundial da Fé, o megatemplo carioca da Igreja Universal.Dunga na berlindaFamoso craque brasileiro garante: jogadores da seleção já não suportam Dunga. Robinho, que abandonou o jogo contra a Colômbia fingindo contusão, está entre os mais descontentes.Céu sem brigadeiroRicardo Teixeira, da CBF, em reunião ontem na Fiesp, lembrou aos presentes que, durante a Copa da Alemanha, jatos executivos congestionaram os aeroportos.Teme que coisa parecida aconteça por aqui em 2014. Moda 1Carlos Jereissati já se conscientizou: o mercado de luxo no mundo vai sim sofrer muito com a crise.Por aqui, com menos gente viajando, pode ser que o impacto seja minimizado.Moda 2Precavida, a estilista Cris Barros, prestes a desembarcar na Europa, pensa em reduzir produção. Não é para menos. Ela conta com a ajuda da irmã e do cunhado, ambos do mercado financeiro. Na frentePaulo Coelho arrasou na Feira de Frankfurt. E não foi com seus dotes literários. Cantou No Woman, No Cry, de Bob Marley, com Gilberto Gil, no palco do King Kamehameha Club, onde rolou festa em sua homenagem até altas horas. Depois, a banda foi de João Gilberto.O tempo passa e o axé baiano terá , além da mamãe Ivete Sangalo, a vovó Daniela Mercury. Que vazio, que nada. Ivo Mesquita, curador da Bienal, ganha festa-homenagem de Isabella Prata e Idel Arcuschin, na quinta-feira. Com show de Lobão, à meia-noite em ponto. Ganhando ou não ganhando o GP Brasil, o piloto Felipe Massa leva o seu troféu. O Hotel Transamérica e o artista plástico Paulo Solaris vão lhe dar a escultura de uma Ferrari estilizada, de 1,10 m de comprimento. Nome? Il Vincitore.A convite de Sonia Diniz, o estilista André Lima desenhou linha de móveis para a Firma Casa. Lançamento na terça-feira. As joalheiras Vi e Bi Leardi comandam, quarta-feira, as Argolas do Bem, na casa de Patricia Thompson. Com lucro revertido para três entidades.Paranóia aumentando. Há quem esteja prevendo - diante da falta total de liquidez em seus respectivos mercados - que países como Paquistão, Venezuela e Rússia possam optar por solução extrema: ir à guerra. Direto da MostraSobrou discurso na abertura da 32ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, quinta-feira, no Auditório Ibirapuera. O mestre-de-cerimônias Serginho Groisman falou pouco, mas os patrocinadores pareciam ganhadores de Oscars. Já a homenageada Mineko Okamoto fez bonito... em japonês. E o secretário Carlos Augusto Kalil batizou a mostra de "balzaquiana enxuta".O filme que abriu a mostra foi Terra Vermelha, de Marco Bechis, agradando o público em geral, segundo apurado pela coluna entre os convidados. Mas a animação para valer veio com a festa, na boate The Week, com o compasso dos atores indígenas, que já haviam encantado a platéia no filme. Mostraram que não são ruins da cabeça, nem doentes do pé. Com direito a elogio de Beth Faria: "Eles são ótimos, atuam com o coração".

Sonia Racy, O Estadao de S.Paulo

18 de outubro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.