Direto da fonte

Dama de FerroOs cerca de 40 empresários convocados para participar de reunião fechada com os ministros Dilma Rousseff e Edson Lobão, mais José Sergio Gabrielli e diretoria da Petrobrás, segunda-feira, em Brasília, assistiram cena impactante: briga pública sobre a nacionalização das plataformas de petróleo.Ante argumentos de Gabrielli na importação de produtos - contratos assinados e custos maiores da versão nacional - houve até um "quem manda sou eu."Perde um barril de petróleo quem acertar o nome do autor da frase.Sushi-sashimiA abertura da exposição O Japão Daqui, no Museu da Língua Portuguesa, teve cenas inusitadas. José Serra conseguiu se divertir com máquina tradutora, Chieko Aoki parecia não saber o que era um karaokê e Gilberto Kassab registrou pedido em papelzinho pendurado na árvore dos desejos. Pediu o que mesmo?Às moscas Com o acirramento da eleição, tem sido difícil encontrar vereadores na... Câmara dos Vereadores.Reflexo do recesso branco, que chegou mais cedo: o último projeto de relevância foi votado em 23 de abril.Sergio Cabral foi visto no Ledoyen, em Paris, em jantar organizado pela Câmara Brasil-França. Tema da noite: o interesse de investir no fornecimento de equipamentos para usinas nucleares no Brasil. The book is on the tableO São Paulo Convention Bureau e a Associação Brasileira de Turismo para Gays, Lésbicas e Simpatizantes estão treinando 350 funcionários de hotéis da cidade para a Parada Gay, no domingo. Nas aulas, ensina-se desde o glossário básico GLS até as diferenças entre as tribos.Tom Ford entre quatro paredesNos dois dias em que esteve hospedado no Fasano, em São Paulo, o texano mexeu com a rotina do hotel. Mandou os garçons que o serviram cortar os cabelos e seu staff checou cada detalhe do restaurante da casa, onde jantou anteontem. Até as toalhas das mesas passaram pela blitz. O estilista, que mudou o rumo da moda nos anos 90 na condição de diretor artístico da Gucci, veio para a inauguração de sua loja de 200 metros quadrados, na Daslu. Em conversa com a coluna, foi simpático e acessível. No entanto, só conta o que o manual manda. Do Brasil, conhece bem algumas obras de Oscar Niemeyer. E sobre sua incursão pelo cinema, é direto: "Não falo sobre o assunto. Só posso adiantar que estou trabalhando em algo especial." A moda brasileira? Não consegui entender muito bem. É algo mais casual?Celebridade... Meu público. Não há nada mais importante para mim do que aquele que compraminha roupa.Por que lançou primeiro roupas para homens?Pode parecer pretensioso, mas por pura falta do que vestir. Onde investe seu dinheiro?Em arte. Mas não sou um colecionador. Apenas compro.Os homens brasileiros são mais formais. Vão comprar suas peças? Tenho certeza de que eles vão gostar. Não escolhi abrir uma loja no Brasil por acaso. Também sou formal.Teoria e práticaPouco antes do duelo, ontem, na CPI dos Cartões Corporativos, havia quem estivesse se preparando para - no mínimo - dar boas gargalhadas. Afinal, os mesmos integrantes do Palácio do Planalto que, há 15 dias, classificaram de "inverossímil" a versão de José Aparecido sobre sua "distração" em enviar o anexo "banco de dados" a André Fernandes, serão os mesmíssimos que terão de defender, em público, a tese.E têm até em mente como: podem usar o exemplo do ex-ministro Paulo Renato, que teria se confundido com os e-mails de um banqueiro e de um jornal.A Febraban anunciou, mas não entrou na Justiça contra a cobrança da CSLL e do IOF. Explicação: ainda estuda a melhor maneira jurídica.Baú de surpresasSuspense nos corredores do SBT. Silvio Santos chega domingo de Los Angeles, onde foi fazer "compras". Teme-se que traga de lá uma grade inteira de programação enlatada. Imposto cleanO Impostômetro será reinaugurado terça-feira, adequado à Lei Cidade Limpa.Por que terça? Será o último dia, a contar de 1º de janeiro, em que o brasileiro trabalhará só para pagar impostos.ParabélumHugo Chávez revelou no fim de semana que o primeiro lançamento-teste de um míssil ar-superfície de longo alcance - por um dos super-caças Su-30 comprados na Rússia -, será realizado em junho, no mar do Caribe. O alvo vai simular um porta-aviões. E anunciou que estará, pessoalmente, no avião para apertar o botão de disparo. "Na hora vou pensar que estou atirando contra um navio do império americano."Na FrenteAlguém duvida que o Brasil também vive seus dias de Indiana Jones no Festival de Cannes? Walter Salles está sendo considerado o rei da Riviera. O cineasta, que levou para lá o seu Linha de Passe, não consegue dar um passo na rua sem segurança. Aliás, o emblemático chapéu que Harrison Ford usa no seu novo filme, que estréia amanhã, é brasileiro. Feito em Campinas, pela Cury.O Ibef recebe, terça-feira, Manoel Felix Cintra Neto, um dos idealizadores da BM&F Bovespa, para ouvi-lo sobre a nova empresa e o futuro do mercado de capitais no Brasil.Economia à parte, a Ásia influencia a cultura americana. Além da exposição do artista pop japonês Takashi Murakami, no Brooklyn Museum, Cao Guo-Qiang mostra suas instalações com pólvora, no Guggenheim. E o também chinês Paul Chain expõe no New Museum of Contemporary Art.O Signo da Cidade acaba de ganhar seu sétimo prêmio. O longa, dirigido por Carlos Alberto Riccelli, foi escolhido pela Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo pela coragem ao mostrar o duro cotidiano da vida dos travestis. A atriz-aposta da Globo, Fiorella Mattheis será a estrela da campanha da Cia Marítima. J.R.Duran assina o ensaio, que será clicado no fim do mês, na África. Já não se fazem mais imortais como antigamente. No fim de semana, o velório de Zelia Gattai ainda estava acontecendo e membros da Academia Brasileira de Letras já estavam cabalando votos para os candidatos à vaga da escritora.A convite de Bia Aydar, da MPM, Alex Atala faz palestra, dia 27, na agência. O tema? Ele próprio. Impressão digitalJorge TaklaO diretor artístico, que acaba de voltar de Nova York, está orgulhoso. Quem entrou, firme, na pauta de sucesso por lá foi o cantor lírico Paulo Szot, sua cria. "Só se fala nele." Tanto assim, que Szot foi indicado para o prêmio Tony deste ano. O cantor e ator, que começou com Takla em 98, no espetáculo La Bohème, está em cartaz no musical South Pacific. Direto da fonteColaboraçãoSilvia Penteadosilvia.penteado@grupoestado.com.brDoris Bicudodoris.bicudo@grupoestado.com.brPedro Venceslaupedro.venceslau@grupoestado.com.brProduçãoMarília Neustein Elaine Friedenreich

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.