Dimensões da cor em 61 obras do mestre Volpi

No mesmo dia 29 de abril em que Olhar Direto entrou em cartaz, foi aberta Volpi: Dimensões da Cor. Na mostra, estão obras pouco conhecidas do artista italiano que se radicou em São Paulo. A curadora Vanda Klabin reuniu 61 telas de Volpi (1896-1988) garimpadas em coleções particulares, e na do pintor, do Rio e de São Paulo, como as dos empresários Orandi Momesso e Roberto Baumgart. A maior parte de pequenas dimensões, os quadros fazem parte da produção de Volpi dos anos 50 e 60, momento em que ele introduziu elementos abstratos em sua pintura que marcariam tudo o que viria nos anos seguintes. Assim, deixava para trás a pintura de paisagem e reduzia suas formas. São pedaços de fachadas, elementos náuticos e as famosas bandeirinhas, com muitas variações cromáticas. "A repetição é uma constante em telas só aparentemente similares, e a cor, principal foco do seu pensamento plástico, ganha uma qualidade visual autônoma", explica a curadora. Nas telas, Volpi trabalhou com têmpera a ovo, técnica antiga utilizada pelos italianos (fabricada por ele mesmo), e não mais com tinta a óleo.Por ocasião da exposição, foi lançado o livro 6 Perguntas Sobre Volpi - Um Debate Sobre Arte Brasileira (132 págs., R$ 40). Vanda Klabin mediou um debate com especialistas na obra do artista e o conteúdo do livro é o resultado deste encontro. Participaram, entre outros, Lorenzo Mammi, Sônia Salzstein, Paulo Pasta e Rodrigo Naves.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.