Di Gregorio, um estreante maduro

Roteirista de Gomorra, que quer vaga no Oscar, e diretor de Almoço em Agosto fala sobre o sucesso atual do cinema italiano

Luiz Carlos Merten, RIO, O Estadao de S.Paulo

01 de outubro de 2008 | 00h00

Gianni Di Gregorio está no Brasil, participando do Festival do Rio, na dupla condição de roteirista de Gomorra, de Matteo Garrone, e diretor de Almoço em Agosto. É o primeiro longa de Di Gregorio, de 59 anos. O ponto de partida é autobiográfico. Numa fase de sua vida, Di Gregorio, já casado e pai de filhos, teve de cuidar de sua velha mãe. A mamma era a típica matriarca italiana, mediterrânea. Queria o filho sempre ao lado dela. Se Di Gregorio se afastava, por pouco que fosse, ela chantageava. "Estou mal." Quem ficou mal com a situação foi o próprio Di Gregorio, que precisou fazer análise para segurar o rojão de ter duas vidas. Uma com a mamma e outra, em outra casa, com a mulher.Naquela fase, ele ainda estava com problemas de dinheiro (quem não tem?). O dono do palazzo (o edifício) em que morava lhe propôs um acordo. Já que Di Gregori cuidava da própria mãe, ele poderia cuidar também da mãe do locatário. Di Gregorio não aceitou, mas a oferta ficou com ele. Sempre pensou o que teria ocorrido, se por acaso tivesse aceitado. Almoço em Agosto é sobre isso. Sobre Gianni, este romano de meia-idade, endividado, que de repente se vê transformado em babá de velhos. O filme ganhou o Leão de Ouro para diretor estreante, no recente Festival de Veneza. "Não é ?o? Leão, mas de qualquer maneira é um ?Leonino?. Virou fetiche de meus amigos. Todos querem tocá-lo, para dar sorte."Um desses amigos que ainda não recebeu seu Leão é justamente Matteo Garrone, o diretor de Gomorra. Di Gregori o tem na conta de gênio. O repórter cita justamente Garrone, Paolo Sorrentino (Il Divo, outro filme italiano presente no Festival do Rio) e Daniele Luchetti (Meu Irmão É Filho Único) para destacar o que lhe parece um fato - o ressurgimento espetacular do cinema da Itália. La Rinascitta. O próprio Di Gregorio acredita nela. Depois de anos de submissão à TV, o cinema italiano ressurge, sim. O próprio público está de volta aos cinemas. Almoço em Família teve um lançamento pequeno, com 14 cópias. Hoje, são 140. O ?leonino? ajudou.De volta a Garrone, Di Gregorio conta que foi um ato de coragem adaptar o romance de Roberto Saviano. O autor do livro que deu origem ao filme Gomorra vive há dois anos sob proteção do Estado, cercado de guarda-costas. A Camorra, Máfia napolitana, fez de Saviano seu inimigo número um. O filme foi feito em locação, com atores recrutados - muitos deles - nos próprios locais de filmagem. "É o método de Matteo: ele investiga muito, em todos os seus filmes. Neste caso, mais ainda." A filmagem começou sob tensão. Havia o medo de represálias da Camorra. "Eles acompanharam a filmagem a distância. Quando viram que o filme não identificava mandantes e não era sobre a organização do crime, mas sobre suas conseqüências, nos deixaram em paz."Falado em dialeto napolitano, o filme - que vai representar a Itália na disputa por uma vaga de melhor filme estrangeiro no Oscar - teve de ser legendado para poder ser compreendido pelos próprios italianos. Di Gregorio concorda com o repórter, que lhe diz que Gomorra, sobre o submundo, e Il Divo, sobre a elite - o ex-premier Guilio Andreotti -, revelam dois extremos da poder na Itália. O repórter não se furta a elogiar o extraordinário Toni Servillo, ator nos dois filmes. "Toni é hoje o italiano mais ilustre, e não falo nele apenas como ator", diz Di Gregorio. O repórter viajou a convite da organização do festival

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.