Desenhos de Goya são encontrados e vão a leilão

Há 130 anos não se tinha notícia das 3 imagens, cujo lance inicial na Christie''s deve ser de US$ 4 milhões

Ansa, Londres, O Estadao de S.Paulo

28 de maio de 2008 | 00h00

Três desenhos do artista espanhol Francisco de Goya y Lucientes (1746-1828) foram encontrados depois de ficarem desaparecidos por mais de 130 anos, provocando grande entusiasmo entre historiadores da arte e colecionadores. Eles serão leiloados em julho pela Christie''s de Londres, que estimou o seu lance inicial em pelo menos US$ 4 milhões.As obras eram dadas como perdidas desde que foram vendidas em 1877, em Paris. Pertenciam a um grupo de 105 desenhos criados por Goya em 1796, que descreviam várias situações, posturas e comportamentos de distintas pessoas, mas não estão relacionados com nenhuma obra completa do artista de Zaragoza.Em 1877, as 105 imagens foram vendidas por valores baixos, entre 6 e 140 francos, apesar da fama que Goya já tinha. As obras reapareceram na Suíça depois que a família que as possuía - que não sabia informar quando haviam sido adquiridas - mostrou-as à Christie''s. Segundo informou ontem o jornal inglês The Times, as três obras inéditas estão em condições excepcionais, já que nunca foram emolduradas nem expostas à luz.Benjamin Peronnet, diretor do Departamento Internacional de Grandes Mestres e Desenhos do Século 19 da Christie''s, declarou que os desenhos ''atrairão muito interesse de colecionadores internacionais e instituições que não tiveram oportunidade de adquirir em anos recentes obras importantes de Goya''.Peronnet explicou que os três desenhos mostram a fascinação do artista espanhol pelos atos desumanos do homem contra a sua própria espécie. Um deles, intitulado La Caída, mostra quatro mulheres lutando enquanto caem, e um segundo, chamado Arrepentimiento, representa um homem sentado rezando, com olhos e boca abertos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.