Defenda sua bandeira na batalha dos arraiás

Vale conferir onde é o melhor São João: Campina Grande ou Caruaru

O Estadao de S.Paulo

22 de maio de 2008 | 00h00

O costume português de celebrar os santos populares na metade do ano ganhou no Nordeste do Brasil uma roupagem mais atrelada ao cotidiano do povo. Poucas são as cidades que não dedicam o mês de junho a Santo Antônio, São João e São Pedro - Campina Grande (PB) e Caruaru (PE) até exageram e se engalfinham na luta para ver quem faz a melhor e a maior festa. E não apenas para cumprir um rito católico. Além de pretexto para muita diversão, as celebrações servem para agradecer as chuvas, garantia de boas safras, inclusive do milho, colhido no período das festividades - daí a canjica, o curau e a pamonha serem imprescindíveis em qualquer arraial.Campina Grande terá neste ano 31 dias de programação no Parque do Povo, uma arena com 42.500 metros quadrados. Desde 1983, realiza-se na cidade o evento batizado de O Maior São João do Mundo, que recebe, segundo a Secretaria de Turismo local, 2 milhões de pessoas. A festa paraibana inclui barracas de comidas e bebidas regionais, palhoças nas quais se pode dançar o autêntico forró. A comemoração também se estende às casas de shows dos bairros de Campina Grande, com apresentação de dezenas de quadrilhas.No calendário de 2008 da Capital do Forró, Caruaru, o Maior São João do Mundo, sob o ponto de vista pernambucano, vai de 31 de maio a 28 de junho - 1 a 0 para Campina Grande, com dois dias a mais. Cerca de 1,5 milhão de visitantes costumam ir à chamada Princesa do Agreste por conta do evento, que emprega até 4 mil pessoas e movimenta R$ 10 milhões. O São João de Caruaru é dividido em nove pólos de animação, no Parque de Eventos, com 42 mil m². Nesses pontos se apresentam trios pé-de-serra, bandas de pífanos, quadrilhas juninas, mamulengos, bacamarteiros. Há ainda artesanato, comidas e bebidas. Uma imensa fogueira, com mais de 12 metros, é acesa para marcar o fim dos festejos - ponto para Caruaru e empate no placar.No Fla-Flu das festas juninas, artistas nacionais são disputados a tapa por Campina Grande e Caruaru. Elba e Zé Ramalho, Dominguinhos e Santana, só para dar alguns exemplos, preferem não tomar partido nenhum. Neste ano, estarão nas duas cidades. Sorte que a distância entre elas é de apenas 149 quilômetros.Correndo por fora, São Luís do Maranhão é ideal para quem anda enjoado do forró nas festas juninas. A capital do Estado criou um diferencial ao unir alguns dos melhores grupos de quadrilhas, tambor de crioula e bumba-meu-boi do País. Em outros Estados, a encenação do bumba-meu-boi costuma ocorrer entre o Natal e o Dia de Reis (6 de janeiro). Nesse dia, em São Luís e Alcântara, ambos no Maranhão,costuma ocorrer a Festa do Divino.CARNAVAL Entre fevereiro e março, é possível ver festas completamente diferentes sem sair do Nordeste. Dos trios elétricos na Bahia aos bonecos de Olinda, em Pernambuco, não falta diversão. Salvador fica tomada de turistas atrás dos megacaminhões de som. Os artistas convidados são sempre os mais badalados do Brasil. O carnaval de rua também é forte: a partir do Pelourinho ou de outros pontos tradicionais da cidade, surgem grupos com influência africana como o Ilê Ayê. Mais teatral, o carnaval pernambucano é uma atração de rara beleza. Nas primeiras horas do dia que abre a folia no Recife, fantasiados de todos os tipos marcham rumo ao centro da cidade para formar o maior bloco carnavalesco do mundo, o Galo da Madrugada. Ao contrário da Bahia, onde se pagam os abadás para ver os trios elétricos (R$ 70 a R$ 1.700,00 neste ano), a festa de rua é gratuita em Pernambuco. Tanto no Recife quanto em Olinda, famosa por seus imensos bonecos, o frevo e suas passistas são a grande atração popular.De todas as cidades do Nordeste, Bezerros, no agreste pernambucano, é a que, talvez, condense a maior variedade de tradições folclóricas. Para começar, o carnaval, ao som do frevo, tem os mascarados papangus. Durante os três dias de festa, também podem ser apreciados o bumba-meu-boi e a cambinda, forma arcaica do maracatu. Para quem gostou da idéia de conhecer em uma tacada só inúmeras manifestações culturais, o 32º Encontro Nacional de Folguedos, no Maranhão, é a grande pedida. O evento reúne, desde 1973, grupos folclóricos de todas as regiões brasileiras e ocorrerá entre os dias 20 e 29 de junho, em São Luís.Campina Grande: portal.pmcg.pb.gov.brCaruaru: www.caruaru.pe.gov.brSão Luís: www.saoluis.ma.gov.brRecife: www.recife.pe.gov.brBezerros: www.bezerros.pe.gov.brEncontro Nacional de Folguedos: www.turismo.pi.gov.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.