Dean, o retrato definitivo do transviado

Ele já havia feito pequenas participações, mas bastaram três filmes, no biênio 1955/56, para esculpir o mito de James Dean. Vidas Amargas (de Elia Kazan); Juventude Transviada (Nicholas Ray) e Assim Caminha a Humanidade (George Stevens), lançado após a morte do astro, num acidente de carro. Juventude Transviada passa às 22 h no TCM. No original, chama-se Rebel Without a Cause, rebelde sem causa. Mas o filme de Ray não faz outra coisa senão oferecer causas para a rebeldia de Jim Stark, personagem de Dean. Até por ter morrido cedo, não deixando outra imagem senão a desses filmes, ele virou o retrato do jovem transviado. Cabe lamentar apenas que o filme passe dublado. A voz era uma ferramenta importante para o ator.

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

31 Março 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.