Cultura e Ancine: uma linha de incentivo à arte da animação

Edital vai selecionar projetos de séries voltados a crianças entre 2 e 12 anos

Patrícia Villalba, O Estadao de S.Paulo

12 de dezembro de 2008 | 00h00

O programa especial Anima SP dos Fundos de Financiamento da Indústria Cinematográfica Nacional (Funcine) começa a receber inscrições de projetos de séries para a TV a partir de janeiro. Uma parceria entre a Fundação Padre Anchieta e da Lacan Investimentos com gerenciamento da Agência Nacional do Audiovisual (Ancine), a iniciativa tem o objetivo de distribuir até R$ 50 milhões no ano que vem para a produção de desenhos animados que serão exibidos na TV Cultura.Para concorrer, em forma de edital, os projetos devem ser destinados a crianças de 2 a 12 anos. "Depois de exibir esse material na TV Cultura, pretendemos vendê-lo no mercado internacional", adianta o presidente da Fundação Padre Anchieta, Paulo Markun, em entrevista ao Estado.Ontem, Markun anunciou lançamento do Funcine em encontro com representantes do setor - como o desenhista Mauricio de Sousa - na sede da fundação. O Funcine é um mecanismo federal que gerencia recursos obtidos de empresas privadas por meio das leis de incentivo para financiar projetos audiovisuais. "O mecanismo já é usado para a produção de cinema, mas é a primeira vez que será destinado à animação", observa Markun.Segundo ele, a Fundação Padre Anchieta atua no projeto como responsável pela qualidade na seleção preliminar. "A Fundação não é sócia do fundo. Somos uma espécie de gerente. Faremos uma primeira triagem e, depois, os projetos escolhidos serão enviados para uma análise na Ancine. Numa terceira etapa, uma comissão do Anima SP vai escolher os vencedores", explica Markun. "Achamos que o modelo das séries é o melhor para a exibição na TV, mas longas-metragens também podem ser inscritos."Na primeira etapa, em que são avaliados os méritos culturais - o caráter inovador e a qualidade pedagógica, por exemplo -, podem concorrer projetos de pessoas físicas e não é necessário ter experiência anterior. Na segunda etapa, entretanto, os projetos devem estar sob a responsabilidade de uma produtora, e de acordo com as normas da Ancine. "É um sistema que não impede o surgimento de novos talentos, e facilita a vida de quem está na estrada. Tem muita coisa andando no Brasil e, às vezes, os produtores não têm dinheiro para terminar." NÚMEROS50 milhões de reais investidos50 séries de TV serão produzidas2 mil empregos gerados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.