Cronista de São Mateus

No promissor CD de estreia, o compositor Rodrigo Campos lança um olhar cinematográfico e afetivo sobre o bairro onde cresceu e se envolveu com o samba

Lauro Lisboa Garcia, O Estadao de S.Paulo

14 de abril de 2009 | 00h00

São Mateus, reduto vulcânico do samba de São Paulo, não é o berço de Rodrigo Campos, mas foi sua escola musical. Cavaquinista, violonista, percussionista e compositor dos mais habilidosos da nova geração, ele revela seu filme no ótimo CD São Mateus Não É Um Lugar Tão Longe Assim (Ambulante Discos), que tem shows de lançamento amanhã e quinta no Tucarena. Beto Villares, Antonio Pinto, Curumin, Benjamin Taubkin e Luísa Maita, nomes de responsa da cena contemporânea paulistana, estão com ele no CD. Dos quatro só Curumin não participa dos shows. Taubkin, Pinto, Gui Amabis, Missionário José e Gustavo Lenza também assinam a produção de algumas faixas. Ouça trecho de Rua TrêsA analogia com cinema acima não é gratuita. Em forma de crônica social, as letras das canções, sambas na base, sugerem um roteiro cinematográfico, repletas de imagens, personagens e histórias cotidianas narradas com cortes precisos e ambientadas em São Mateus, zona leste paulistana. Sem demagogia, sem rancor, sem apelar para a "estética da fome". Não é à toa que Campos foi buscar Villares para produzir o álbum. Como Pinto, ele tem feito carreira brilhante como compositor de trilhas sonoras de filmes.A talentosa turma de Campos (leia no quadro) inclui Fabiana Cozza, que não participa do CD, mas é uma de suas incentivadoras. Ele, que já tocou com Arnaldo Antunes, Céu e Vanessa da Mata, entre outros, é da banda de Fabiana. Uma das faixas mais pungentes do primeiro disco-solo da cantora é dele e se chama São Mateus (que ele não incluiu no próprio CD) e forma uma tríade com Mangue e Fogo (cantada por Luísa Maita) e Salve Fabrício. Esta fala de um pai procurando o filho no dia de sua morte. Fabrício e Marina também são personagens da outra canção, em situações paralelas antes de chegar ao bairro. A que completa a trilogia narra o que aconteceu com Miro no bar da favela."Eu diria que a minha principal referência de criação é o cinema. Isso acaba me influenciando muito, porque sempre que vou fazer uma música imagino uma cena", diz Campos. As histórias narradas por ele em seu primeiro álbum se entrelaçam e compõem uma espécie de documentário, embalado por música de primeira linha, melodiosa e inventiva. Notam-se ali as tintas modernas de Villares e Pinto, que se desdobram em vários instrumentos e criaram uma envolvente ambiência de textura eletrônica. A Ambulante Discos é uma sociedade dos dois e Campos reconhece no trabalho deles um "movimentozinho" estético, que reverbera em sua criação. "A música do Beto tem muito de atmosfera sonora. É como se ele fosse o diretor de fotografia e fizesse o cenário para eu colocar meus personagens, meu roteiro."É raro um disco de música popular com esse preciosismo narrativo, sem ser maçante nem panfletário. Em parte, o CD de Campos remete ao clássico do hip-hop Sobrevivendo no Inferno (1998), dos Racionais MC?s, só que menos violento. Quando começou a montar o repertório, ele notou que as canções eram muito dramáticas. "Não tinha ainda Amor na Vila Sônia, que fala de um caso de amor. Fui tentando equilibrar melhor as coisas para fazer um disco que abordasse todos os aspectos, saindo daquilo que a princípio se pega da periferia, que é a violência. Procurei falar disso de uma maneira mais sutil, como em Cavaquinho."Campos assina sozinho 12 das 14 faixas. Nas restantes, uma ele divide a melodia com Villares (Brother José) e noutra (Para Onde Vão os Meninos de São Mateus?, a única não inédita) deixou a letra a cargo de Dr. Morris, codinome de Morris Peixoto, fundador da Urbanda, onde Campos começou. Fim da Cidade é um poético trailer de situações que vêm a seguir, envolvendo afeto, morte, trabalho, lazer, amizade, saudade, tesão, infância, samba, futebol, tempo, amor e fé. Nos cenários há trem, bar, terreiro, estação, rua, ladeira, construção, mangue e o coração de alguém.O título do CD tem duplo sentido. Faz os forasteiros voltarem os olhos para o bairro, mas também é uma viagem interna, emocional do compositor, que volta para compensar a partida brusca do lugar, que ficou "longe na memória". Nascido em Conchas, no interior paulista, Campos mudou-se para São Mateus com os pais Isac e Lúcia - aos quais dedica duas canções homônimas - quando tinha 3 anos. Faz 8 anos que saiu de lá, "num momento crítico familiar". Uma de suas letras mais bonitas, a autobiográfica Rua Três, versa sobre as impressões dessa volta (leia no quadro)."Sempre fiz parte dos movimentos de samba do bairro, que isso é muito rico lá. Mas saí num momento meio delicado, sem me despedir. Depois de um tempo, as histórias e as pessoas com quem convivi lá foram voltando. Comecei a compor não só pra isso, mas foi uma maneira de estar mais perto do lugar", diz o músico. "Misturo muito coisas que eu vi com outras que imagino, mas é meio querendo mesmo contar o que eu vivi." Jogando bola na rua, ele observava uns moleques fazendo "samba de latinha" em cima da laje de um cortiço. Logo ele entrou na roda em meio a sambas Fundo de Quintal, Beth Carvalho, Zeca Pagodinho, Reinaldo.Daí notou que compositores dos discos de Zeca, como Beto Sem Braço, estavam nos de Marçal, por exemplo. "No disco do Marçal já tem uma música do Candeia. Aí você vai no Candeia e acha Cartola, Nelson Cavaquinho. E assim é que fui chegando a Tom Jobim", conta. "Nunca saí muito da música brasileira. Quando fui estudar na Fundação das Artes, em São Caetano, comecei a ouvir os standards de jazz. Mais para a frente, comecei a descobrir música pop com Luísa." Como músico, Rodrigo Campos já era bem credenciado no meio artístico. Agora o conjunto de canções desse CD, um avanço para ampliar o potencial de compositor e letrista inspirado, ainda revela um bom cantor. Não guarde esse nome, espalhe.A TURMA DELE:ANTONIO PINTO: compositor, instrumentista, arranjador e produtor, autor de diversas trilhas marcantes para cinema, entre elas Abril Despedaçado (com Beto Villares), Central do Brasil e Cidade de Deus.BETO VILLARES: produtor, multi-instrumentista e compositor, autor das trilhas dos filmes O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias e Cidade Baixa, entre outros, além da série de TV Cidade dos Homens, uma das parcerias com Antonio Pinto.CURUMIN: baterista, compositor, cantor, guitarrista e produtor, faz mistura suingada com hip-hop, samba, soul e jazz; acompanhou cantores como Arnaldo Antunes e Vanessa da Mata, tem dois álbuns-solo gravados, Achados e Perdidos (2003) e Japan Pop Show, um dos melhores de 2008.FABIANA COZZA: cantora dedicada ao samba, é uma das grandes revelações da década; integrou o grupo Notícias dum Brasil, que acompanhava Eduardo Gudin, tem dois álbuns-solo lançados, O Samba É Meu Dom (no qual gravou São Mateus, de Rodrigo Campos e Marcos Paiva), de 2004, e Quando o Céu Clarear (2007).LUÍSA MAITA: cantora e compositora, começou na Urbanda, ao lado de Rodrigo, é parceira dele em canções como Beleza, recém-lançada por Mariana Aydar; canta quatro canções no CD do compositor e prepara-se para lançar o primeiro álbum-solo, com coprodução, música em parceria e o violão dele. Rua TrêsEle não sabia como explicarTinha trinta anos de repente, aliEra o grande gurufim do Mané da TrêsEx-vizinho de portão,Já fazia tempo não voltava aliTinha vinte e nove uma semana atrás,Quase era feliz, não como sonhouE o Mané desencarnouO Mané não era um amigo assim tão bom Mas era hora de voltarSão Mateus não era um lugar assim tão longeEncontrou Jadir durante o ritualPerguntou da Cris e da Maria Inês,Crislaine casou e a Maria InêsSe formou em nutrição.Cris, menina prosa, corpo esculturalLinda e geniosa a Maria InêsA primeira vez e o primeiro amorTodos dois na Rua TrêsO Mané não era um amigo assim tão bom Mas era hora de voltarSão Mateus não era um lugar assim tão longeProcurou Ceci depois do funeralSua confidente no segundo grauE ao anoitecer se emocionouCom o luar da Rua Três,Ele não sabia como explicarTinha trinta anos de repente, ou não,Inda de manhã tinha dezesseisNamorando a linda InêsServiçoRodrigo Campos. Tucarena (200 lug.). Rua Monte Alegre, 1.024, Perdizes, tel. 3670-8455. Amanhã e quinta, 21h30. R$ 20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.