CPMF: dois para mim, um para você?

Quando se fala de imposto todo mundo se interessa, mesmo que ele tenha um nome como CPMF. E quando se fala de mudanças nas regras, todo mundo briga - os que cobram, os que pagam e os que nada sabem. É o que ocorre neste momento em Brasília. A proposta de se isentar da contribuição os que ganham até R$ 4.340 por mês está sob fogo cerrado, sem se explicar exatamente o porquê. Como funcionaria isso? Como calcular os valores, se fazemos gastos todos os dias? A explicação vem do secretário da Receita Federal Jorge Rachid. A idéia, diz, é descontar a cada ano, na declaração do imposto de renda, os 0,38% cobrados pela CPMF no cálculo do imposto devido. Rachid já tem essa conta. É possível abater até R$ 214,40. Se o imposto a pagar for menor que isso, cai o desconto. "Abate-se o que for menor", explicou ontem. E quem ganha mais que R$ 4.340 por mês? Poderá descontar os mesmos R$ 214,40, garante o ex-secretário. A arrecadação do imposto de renda, em suas contas, diminuirá algo em torno de R$ 2 bilhões - isso se a contribuição chegar de fato aos R$ 39 bilhões previstos. O que é muito - diz ele - para União. Agora, o que Rachid não diz é que o governo federal está, na realidade, fazendo cortesia com chapéu alheio. Isso porque o dinheiro que entra na CPMF vai todo para a União. Mas na hora de fazer desconto, quer tirar receita de Estados e Municípios, que ficam com 44% do IR. Portanto, os R$ 2 bilhões "perdidos", segundo explica o tributarista Clovis Panzarini, significarão, para a União, menos que R$ 1 bilhão.Em terra A BRA vai pedir recuperação judicial. Para tanto, acaba de contratar escritório especializado.Tipo exportação O martelo está praticamente batido nas negociações que correm entre Franziska Hübener e a Maison Ungaro.A designer brasileira vai ser diretora criativa de acessórios da marca.Direto ao pontoCansado de responder a cartas do tipo ''''construímos a biblioteca e agora precisamos de livros doados'''', o editor Raul Wassermann, da Summus, mandou fazer um carimbo que aplica nessas cartas, antes de devolvê-las ao remetente.Lê-se ali uma famosa frase da atriz Cacilda Becker: ''''Não me peçam de graça a única coisa que tenho para vender.''''Quem TV Aos 40 dias de vida, o canal de notícias a cabo Record News continua em busca de um bom ponto no dial. Prossegue a negociação com a Net por um contrato de longo prazo e lugar melhor que o canal 93.Na TVA, ela também está ''''muito antes'''' do melhor ponto, no 20.Bit acelerado Eliezer Batista, do alto da sua sabedoria, está às voltas com a neurociência. O bruxo criador da Vale do Rio Doce tem-se dedicado aos estudos de como funciona a cabeça do estudante brasileiro após o advento da informática.É papo para teoria do caos e matemática não linear.Marcha à réAlém do barulho do deputado Devanir Ribeiro sobre terceiro mandato - que o presidente Lula mandou parar, no início da semana - consta que pesou muito no recuo dos senadores do PSDB, que melou o acordão sobre CPMF, um discurso feito segunda-feira pelo secretário-geral do Itamaraty, Samuel Pinheiro Guimarães.Em Lima, no Peru, o imediato de Celso Amorim defendeu a democracia direta, através de plebiscitos, como fórmula para apressar a inclusão social e a democracia socialista. Levou bicada de tucano por todo lado.Agenda apertada?Consta que o ministro da Defesa Nelson Jobim não recebeu, até hoje, nem Constantino Júnior, da Gol, nem Marco Bologna, da TAM. Mas teria recebido German Efromovich, da Ocean Air, três vezes.Consultada, a assessoria do ministro, durante dois dias, não deu retorno.Água e óleoMesmo que Fábio Barbosa, hoje dirigente do ABN Amro, continue à frente da instituição, existe hoje um temor, entre os funcionários, em relação à cultura do Santander, que comprou o banco no Brasil.O problema, no caso, é que ABN e Santander têm culturas quase opostas. Enquanto no ABN existe uma grande preocupação quanto à maneira de tratar o funcionário, ao planejamento de carreira e à qualidade de vida, os espanhóis dão muito menos prioridade a esses quesitos.Impressão digitalEverardo MacielUma velha raposa dos tributos, o ex-secretário da Receita, Everardo Maciel, garante que não passa de ''''demagogia fiscal'''' a barulheira dos inimigos da CPMF. ''''Se você perguntar a alguém que ganha R$ 10 mil por mês quanto ele paga de CPMF, ele dirá que é uma barbaridade. Na verdade, não passa de R$ 38,00'''', esclarece Maciel. Há coisas muito mais importantes a fazer, adverte ele, para reduzir os impostos no País. Por exemplo, repensar o pagamento da contribuição patronal para a Previdência Social. ''''Isso tem ligação direta com o aumento ou diminuição de emprego'''', avisa o ex-secretário.Na frenteO mercado andava buscando explicações para o fato de, mesmo ante notícias como falta de reajuste de preços e de gás, as ações da Petrobrás insistirem em se manter acima da performances do mercado. Ontem, foi divulgado o resultado das análises de reserva gigante de gás que fez as ações da estatal dispararem. Se a alta não se sustentar esta semana, estará instalada a suspeita de que houve vazamento...Na inauguração de ontem do Shopping Itaquera, a maior novidade foi o ''''público''''. Para a Racional, que já construiu inúmeros empreendimentos do gênero, foi inédita a quantidade de pessoas circulando. Mais que o dobro do esperado pelos organizadores.Almoçaram juntos, quarta-feira, no Itaim, o ex-ex do PT José Dirceu e Edevaldo Alves da Silva, dono da FMU. A conversa, horas tantas, parece que esquentou.A família de ACM deve comparecer hoje ao casamento de Fernanda, filha de Cesar Mata Pires, da empreiteira OAS, no Jockey Club de São Paulo. Diferente do que aconteceu no casamento de Cesar Mata Pires Filho - quando o senador, estremecido com seu genro, não deixou ninguém ir.Direto da fonteColaboração Silvia Penteadosilvia.penteado@grupoestado.com.brDoris Bicudodoris.bicudo@grupoestado.com.brGabriel Manzano Filhogabriel.manzanofilho@grupoestado.com.brProduçãoElaine Friedenreich e Claudete de Laradiretodafonte@grupoestado.com.brfotosdafonte.estado@grupoestado.com.br

Sonia Racy, sonia.racy@grupoestado.com.br, O Estadao de S.Paulo

09 de novembro de 2007 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.