Corpo volta mais leve e mais claro

Depois de Breu, o grupo mineiro vem com Ímã, para celebrar as polaridades

Helena Katz, O Estadao de S.Paulo

05 de agosto de 2009 | 00h00

Já se tornou hábito. Todo agosto dos anos ímpares, o Grupo Corpo estreia uma nova obra de Rodrigo Pederneiras, seu coreógrafo residente. O grupo é de Belo Horizonte, onde foi fundado em 1975, mas essa estreia acontece no Teatro Alfa, em São Paulo, em temporada de duas semanas, que começa hoje e se estende até o dia 16. No programa, a nova obra, Ímã, que dura 40 minutos, vem acompanhada de Bach, uma criação de 1996, que há oito anos não é apresentada no Brasil. Ímã tem música especialmente composta pelo Trio +2, formado por Domenico Lancelotti, Kassin e Moreno Veloso. E a de Bach é assinada por Marco Antônio Guimarães (Uakti), que retrabalhou composições do barroco Johann Sebastian Bach (1685-1750). A música é sempre central nos processos criativos de Rodrigo Pederneiras, que acompanha muito de perto a produção de todas as trilhas que são encomendadas pelo Grupo Corpo, desde 21 (1992). "Precisa ser um trabalho colaborativo mesmo, para poder dar certo", diz ele.Ele sempre coreografa para a música, daí a necessidade do acordo pleno com quem a produz. Foi dessa relação íntima entre movimento e som que fez nascer tanto um vocabulário como uma gramática autorais. Neles, vem aparecendo cada vez mais uma sintonia fina com as danças urbanas.Como o chão dominou a sua coreografia anterior, Breu (2007), a intenção agora foi a de propor uma polaridade, buscando a leveza. " Essa obra é para toda a companhia. É intencional mostrar cada um desses bailarinos incríveis nas suas qualidades específicas."Iluminação e cenário são assinados por Paulo Pederneiras, também diretor da companhia. Ele faz a estreia mundial de um novo equipamento de luz, capaz de fixar gradações de tonalidades até então inexistentes nos palcos da dança. Ímã vem em tons matinais, clareando o que Breu deixou.ServiçoGrupo Corpo. Teatro Alfa (1.100 lug.). Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722, 5693-4000. 4ª, 5ª e sábado, 21h, 21h30; dom., 18h. R$ 40/R$ 90. Até 16/08

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.