HÉLVIO ROMERO | ESTADÃO CONTEÚDO
HÉLVIO ROMERO | ESTADÃO CONTEÚDO

Conselho leva o diretor do MAC a renunciar

Hugo Segawa foi derrotado em votação para abrir licitação que daria um restaurante ao museu

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2015 | 19h30

O arquiteto e professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, Hugo Segawa, renunciou ao cargo de diretor do Museu de Arte Contemporânea (MAC/USP) por divergências com os integrantes do conselho da instituição, uma delas provocada pela proposta de construção de um restaurante no oitavo piso do prédio, onde funcionava o Detran, no Parque do Ibirapuera.

O projeto de instalação de um restaurante de luxo no topo do MAC – um dos panoramas mais bonitos da cidade – já era alimentado na gestão do ex-diretor Tadeu Chiarelli, mas não foi para a frente, emperrado pela burocracia institucional. Mais uma vez, ele foi abandonado, durante votação para abrir licitação que permitiria a uma empresa privada explorar os serviços do restaurante. Apenas Segawa, autor do projeto, foi favorável. Outros membros do Conselho do MAC foram contra. Ele é formado por cinco docentes da USP, dois representantes da sociedade (um artista e um crítico), dois representantes dos servidores e mais o diretor e a vice-diretora, Kátia Canton, que assume, por tempo limitado, o cargo de Segawa, até que seja convocada nova eleição para a vaga do ex-diretor.

Segawa diz que o episódio da licitação foi o estopim da renúncia, não a causa única. A mudança do MAC para o prédio do Detran, diz ele, trouxe benefícios, mas também uma série de problemas com o aumento da área expositiva (eram 900 m² no câmpus da USP contra os atuais 11 mil metros). Cresceu o número de vigilantes (de 13 para 50) e de visitantes (são quase 200 mil por ano), mas não a verba disponível para a realização de exposições. Este ano foram canceladas duas mostras (o tributo ao centenário do compositor Koellreuter e a retrospectiva do artista coreano Nam June Paik). Para 2016, revelou Segawa, outra exposição importante foi cancelada, a retrospectiva do escultor surrealista franco-germânico Jean Arp (1886-1966). “Muitas dessas mostras são propostas externas que o MAC acolhe, mas seus produtores, por vezes, não conseguem fechar as cotas de patrocínio”, justifica ainda Segawa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.