Como é gostoso ser francês

Começa amanhã em São Paulo e sexta-feira no Rio panorama com sete pré-estreias de filmes franceses e a presença de uma delegação de diretores e artistas para debater produção e mercado do cinema

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

15 de junho de 2009 | 00h00

Nos últimos anos o Brasil vinha sendo um dos dez maiores mercados do mundo para o cinema francês, mas curiosamente, a produção que faz sucesso no País não é a comercial e sim, autoral. Em 2008, a comédia Bienvenue Chez les Ch?tis virou um fenômeno - rapidamente, o filme ultrapassou a marca de 20 milhões de espectadores na França e, depois, tomou de assalto as telas na Alemanha, na Escandinávia, no Japão. O Brasil ficou imune aos Ch?tis e a consequência foi que, em 2008, o País não ficou entre os ?top ten? para os franceses. A França, porém, reconhece a importância do mercado brasileiro para o seu cinema e traz ao País uma delegação de artistas e diretores.O 2º Panorama do Cinema Francês começa amanhã em São Paulo e sexta-feira no Rio. Em ambas as capitais, até dia o 25, os cinéfilos poderão assistir às pré-estreias de sete filmes. Em São Paulo, a abertura, na Reserva Cultural, terá a presença da delegação francesa (os diretores Jean-François Richet, Christophe Barratier e Philippe Lioret, os atores Vincent Cassel, Charles Berling, Gilles Lellouch e Elsa Zylberstein, a diretora da Unifrance, organismo que se dedica à promoção do cinema francês no mundo, Regine Hatchondo). Todos vão prestigiar a pré-estreia de Paris, de Cédric Klapisch. Os demais filmes que integram a programação são - Horas de Verão, de Assayas; Mesrine, o Inimigo Público, primeira parte do díptico de Richet com Vincent Cassel (a segunda, Instinto de Morte, não será exibida agora); Bem-Vindo, de Lioret; Faubourg 36, de Barratier; Há Tanto Tempo Que Te Amo, de Philippe Claudel; e 0SS 117, Rio ne Répond Pas, de Michel Hazanavicius, nova aventura do agente secreto interpretado por Jean Dujardin, com cenas filmadas no Brasil.A edição traz entrevistas com os diretores de Horas de Verão e Mesrine. Paris, do autor do simpático O Gato Sumiu, mostra a capital francesa por meio de seus habitantes. Faubourg 36 filma artistas que tentam manter aberto o café em que se apresentam nos anos 30; Bem-Vindo provocou comoção na França ao tratar da imigração clandestina (e foi tema de recente reportagem do Estado); Há Tanto Tempo descreve o esforço de reintegração de uma mulher que sai da cadeia e vai morar com a irmã; OSS 117 é paródia de espionagem. São filmes para todos os gostos e para o prazer dos cinéfilos. Serviço 2.º Panorama do Cinema Francês. 3.ª, 21h, Paris (2008), de Cédric Klapisch, e debate com o ator Gilles Lellouch. 4.ª, 16h, OSS 117, Rio Ne Répond Plus (2009), de Michel Hazanavicius; 19h, Horas de Verão (2008), de Olivier Assayas, e debate com o ator Charles Berling; 21h30, Inimigo Público n.° 1 - Instinto de Morte (2008), de Jean-François Richet, e debate com os atores Vincent Cassel, Gilles Lellouch e com o diretor. Reserva Cultural. Av. Paulista, 900, telefone 3287-3529. 4.ª, 16h, 19h, 21h30; 5.ª, 18h, 21h; 6.ª, 19h, 21h30; sáb., 20h, 22h; dom., 20h. R$ 19 (R$ 50, para os sete filmes). Até 25/6

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.