Como chegamos À Aldeia Ipatse, casa dos Kuikuros

AVENTURA: Uma comitiva de 15 jornalistas, fotógrafos e produtores partiu rumo ao Parque Indígena do Xingu às 7h40 do último sábado, a convite da TV Cultura. Voamos com a aeronave C115-Búfalo da Força Aérea Brasileira (FAB). O coronel Canzi, que nos conduziu até Sinop-MT, e quem mais pilotou esse tipo de avião no mundo, vai encerrar sua carreira no próximo ano com o Búfalo, que completará 40 anos em 2008. A altitude máxima da aeronave, construída prioritariamente para transporte de carga, é de 13 mil pés e a velocidade, de 200 nós (400 a 450 km/h). Fizemos escala em Anápolis-GO, na ida e na volta, para reabastecer o tanque que abriga 14 libras (7 mil litros). Além de nos sentirmos mais seguros, o Búfalo é, disparado, mais confortável que qualquer avião civil atual: sentados de costas para as janelas, podemos esticar as pernas e encostar numa rede elástica. Na decolagem, todos são jogados para a lateral, tamanha a arrancada. Levamos cerca de 6 horas para chegar até Sinop. De lá para a aldeia Kuikuro (trajeto que demorou mais 1h15), nos dividimos em três táxis aéreos, apelidados carinhosamente pelos jornalistas de ''''Fuscas com asas''''. Nosso piloto, Thiago Decol, de 24 anos, que já contabiliza 700 horas de vôo, realizou duas manobras radicais quando sobrevoávamos a mata densa do Parque Indígena do Xingu. Não agradou muito. O bate-volta ao Xingu terminou no domingo, às 20 h, quando pousamos de volta no Campo de Marte .

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.