Comédia romântica, trama vai brincar com os opostos

Caras & Bocas conta a história de um artista plástico que virou pasteleiro machão

Patrícia Villalba, O Estadao de S.Paulo

08 de abril de 2009 | 00h00

A dupla Walcyr Carrasco e Jorge Fernando voltam ao horário das 7 da TV Globo na próxima segunda-feira, com uma comédia romântica ambientada no mundo dos vernissages paulistanos. Caras & Bocas conta a história de Gabriel (Malvino Salvador), artista plástico promissor que, muito jovem, teve de abandonar os estudos para garantir o sustento da família - fritando o típico pastel paulistano.E como comédia romântica não é comédia romântica sem um amor inicialmente frustrado, no lado de lá, dos ricos, está a mocinha Dafne (Flávia Alessandra), neta de um explorador de diamantes e dona de galeria. "A novela conta a história do amor entre duas pessoas diferentes. Ela é rica e sofisticada. Ele, um cara pobre. O Gabriel não chega a ser um grosseiro, mas guardou o sonho de ser pintor numa caixinha e é frustrado por isso", explica Carrasco que, pela quarta vez, terá uma novela dirigida por Jorge Fernando.Mais uma vez, Carrasco vai mostrar uma espécie de jornada do herói às 7. Em Sete Pecados (2007), o protagonista Dante (Reynaldo Gianecchini) primeiro perdia as virtudes do bom coração, para depois recuperá-las. No caso de Gabriel, a coisa a recuperar é o sonho de ser artista. "A história mostra como ele vai recuperar a sensibilidade, é sobre a redescoberta do sonho. E é capaz que ele volte a pintar", detalha Carrasco.Caras & Bocas é história de gata e rato, que se desenvolve nos opostos. De um lado, a São Paulo moderna dos Jardins, onde está a galeria de Dafne. Do outro, os ares de cidade do interior da Lapa, onde está o bar de Gabriel. "Morei na Lapa quando era adolescente, e quis retratá-la desta vez. Na cidade cenográfica, inclusive, reproduziram a igreja da Praça Cornélia, onde eu morei", conta o autor. A novela começa em 1993, quando Dafne e Gabriel são jovens namorados. A família, claro, não aprova o namoro da moça, e o avô Jacques (Ary Fontoura) dá um jeito de separá-los. A separação só não é do tipo "para todo o sempre" porque a mocinha está grávida de Gabriel. Quinze anos depois, então, a filha deles, Bianca (Isabelle Drummond) sai em busca desse pai que nunca conheceu. "Acima de tudo, acho que o Gabriel é um personagem que vai ter grande identificação com o público, porque apesar do temperamento forte, ele é um grande coração, um lutador. É o provedor da casa, que abdicou do sonho quando era jovem", define Malvino, que começou a compor o personagem quando ainda estava no ar como o Damião de A Favorita, a última novela das 9 da emissora. Na coletiva de imprensa para o lançamento, há dez dias, durante o clipe de apresentação, as cenas de Malvino no chuveiro só não foram mais aplaudidas do que as do chimpanzé que participa da novela, "interpretando" o personagem Xico.Em busca de pintores arrojados, Simone (Ingrid Guimarães), sócia de Dafne, encontra o talentoso macaco pintor. "Sou muito ligado às artes plásticas. A vanguarda chegou a um código tão complicado, que se tornou muito difícil para o grande público entender por que determinada obra é importante", observa Carrasco. "Essa experiência do macaco que passa por um pintor já foi feita antes, e vou usar para mostrar isso. Ele é um dos protagonistas da novela, a (Elizabeth) Savalla está até brava, dizendo que o papel dele é maior que o dela", brinca o autor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.