Com jazz e trip hop, Claudia Dorei faz menos valer mais

Compositora, instrumentista e cantora apresenta seu som climático, em prévia do primeiro álbum, no Sesc Vila Mariana

Lauro Lisboa Garcia, O Estadao de S.Paulo

08 de maio de 2009 | 00h00

Claudia Dorei é uma dessas novas compositoras e cantoras que têm o que dizer. E o que tocar. Trompetista, ela destila boas influências de jazz e trip hop, tem Björk, Portishead e Chet Baker como modelos. Lindo isso tudo, mas nada faria sentido se ela não fosse além das referências. O som de Claudia, que toca hoje no Sesc Vila Mariana, tem cara própria, é climático, pulsante, liga o suingue negro carioca à modernidade cosmopolita paulistana e mundial. Dois elementos são essenciais para isso: o trompete e o flugel horn que ela toca muito bem e a atuação incansável da fera do beatbox MC THG.Esse show também tem como novidade a presença de Mestre Nico, percussionista pernambucano. "Estou a fim de dar um toque mais brasileiro pro meu som. Acho que pode ficar interessante o eletrônico do beatbox com a percussão", diz a artista. Os outros integrantes da banda são Gil Duarte (flauta, trombone e sax), Rogê (baixo), Estevan Sincovitch e André Edipo (guitarras). Este show é uma prévia de seu CD de estreia, que está em fase de mixagem, para ser lançado em julho, com produção da própria Claudia. "Esse primeiro disco fala dos estágios iniciais e secundários de uma relação - a paixão, a vontade, a crise, que é o que vivo", conta. "Espero que o segundo não fale de separação."A música instrumental é um elemento que "claramente será cada vez mais forte" no som de Claudia. "Gosto da viagem sonora, já estou compondo músicas instrumentais, mas nesse primeiro disco o foco não é esse ainda. Sempre gostei de música eletrônica, mas sempre senti que faltava um coração de carne e sangue na máquina", observa. "Compus minhas músicas, algumas em parceria com Yuri Pinheiro e Renato Gama, e quando resolvi vesti-las, não conseguia conceber uma bateria como acompanhamento. Já estava cansada de bumbo, caixa, cimbal e todas as viradas que acompanham um baterista."Claudia preferia o timbre eletrônico, mas também não queria uma banda "com um laptop de pulso". "Comecei a procurar, então, na zona leste de São Paulo, alguém que pudesse reproduzir o som da bateria na boca (beat box). Depois de vários meses, encontrei o MC THG. Ele vem da cultura hip hop, é especializado em freestyle e aberto o suficiente pra aceitar essa mistura que vislumbrei."O roteiro do show - que começa com um tema instrumental do compositor etíope Mulato Astake - tem também, além de composições próprias, uma reinterpretação do clássico do trip hop Glory Box, do Portishead. "Ter visto o show da Beth Gibbons mudou minha vida." Claudia lida com música desde 1997 e já compôs trilhas para montagens teatrais de Gerald Thomas e Georgete Fadel. Trabalha também como técnica de som para a Banda Mirim, especializada em teatro musical infantil, que realizou os ótimos Felizardo e Sapecado. Entre seus integrantes estão Tata Fernandes, Rubi e a elétrica Claudia Missura, que faz intervenções no show da parceira, dizendo poemas de Manuel Bandeira.Carioca radicada em São Paulo, ela diz que sente o mar como sua maior influência. "E agora percebo que acabei formando uma banda com pernambucano, cearense, gente que entende esse relaxamento que a praia e o horizonte instauram", diz. Ela começou a aprender trompete na escola e sua base sempre foi o jazz. "Estudei inclusive com Barrosinho, o trompetista com o som mais lindo que já ouvi na vida. Foi um grande mestre pra mim."Sobre os temas de suas canções, sintetiza: "Sou autobiográfica. Aprendi com Denise Stoklos, outra mestra que passou por minha vida, que se eu falar do que é essencial pra mim acabo chegando num lugar muito comum a todos. Não poderia deixar de citar também Antonio Abujamra, que me disse uma frase que provavelmente não é dele mas que eu tatuaria: ?Menos é mais.? As contradições deliciosas dessa vida." ServiçoClaudia Dorei. Sesc Vila Mariana. Auditório (131 lug.). Rua Pelotas, 141, 5080-3000. Hoje, 20h30. R$ 3 a R$ 12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.