Colégio desativado no Rio transforma-se em cenário ideal

LOCAÇÃO: "O Rio de Janeiro está em decadência". Arnaldo Jabor não se conforma com a dificuldade enfrentada pela produção em encontrar as locações ideais para o filme, que se passa nos anos 1950 e 60. "A maioria das cenas externas será rodada em Marechal Hermes, onde ainda há um espírito nostálgico", explica. A verdadeira pérola, no entanto, localiza-se no Alto da Boa Vista, região privilegiada do Rio, onde está instalado o prédio que abrigou o colégio Sagrado Coração de Jesus, hoje desativado. Com um ambiente que remete aos anos 1960, o espaço mantém-se preservado, com salas de aula, biblioteca, salas de química e de ginástica. "Aqui, conseguiremos reproduzir com fidelidade a entrada e o interior da casa de Paulinho", comenta o produtor João Ramalho Jr. De fato, um passeio pelos corredores do antigo colégio é como visitar um enorme estúdio de cinema: onde os alunos antes estudavam é, agora, uma sala de estar. No ambiente ao lado, uma cozinha com todos os apetrechos de época. Mais adiante, um banheiro intacto. "Enquanto os atuais donos do prédio não decidem adaptá-lo em hotel, aqui se transformou em polo cinematográfico", afirma Ramalho, lembrando de outros filmes de época também rodados lá, como Cazuza, Meu Nome Não é Johnny e os ainda inéditos O Bem-Amado e Reis e Ratos. "Se esse espaço não existisse e estivesse bem conservado, o custo de produção seria altíssimo", diz Ramalho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.