Clima foi de tranqüilidade, sem tumultos

Apesar dos ingressos esgotados, era possível encontrar entradas com cambistas

Fabiana Cimieri, RIO, O Estadao de S.Paulo

15 de dezembro de 2008 | 00h00

A chuva não deu trégua e caiu forte do início ao fim do primeiro show da turnê Sticky & Sweet. Pelo menos, ela serviu de pretexto para que Madonna se esforçasse para ser simpática e, assim, conquistasse o público. Ela conseguiu. A água não foi capaz de estragar uma noite que despertou tanta expectativa e desanimar os fãs, que puderam fotografar a apresentação à vontade, apesar da proibição do uso de máquinas fotográficas e celulares. Quem sofreu com o rigor foram os fotógrafos que estavam a trabalho.Tanto é assim que, quando perguntou se queriam que ela parasse de cantar por causa da chuva, ouviu um clamoroso não da platéia composta por muitos gays e mulheres de todas idades. Cerca de 150 mil pessoas, segundo a Polícia Militar, lotaram o Estádio do Maracanã, no Rio. A socialite Angelita Feijó disse que a capacidade da Madonna de conquistar um público de todas as idades é uma das características que mais admira. A longevidade do sucesso da cantora é de espantar. "A Madonna está sempre no topo. Desde quando eu tinha 10, 20, 30, 40 anos...", ela diz.Embora a cantora tenha subido ao palco às 20h30, meia hora antes do horário previsto inicialmente, a antecipação provocada pela chuva não provocou tumultos. O clima foi de tranqüilidade - poucas ocorrências foram registradas. Apesar de os ingressos terem se esgotado nos primeiros dias de venda, era possível encontrar cambistas vendendo entradas por valores menores do que os vendidos na bilheteria.Muitos paulistas não agüentaram esperar as apresentações em São Paulo e vieram ao Rio. O funcionário público Adil Guedes, de 25, foi um deles. "Adoro o Rio e amo a Madonna, essa era uma oportunidade de unir o útil ao agradável", disse. Mas isso é pouco - ele também irá ao primeiro show no estádio do Morumbi, na capital paulista, que ocorre na quinta. Para a comerciante Monique Guimarães, que usava roupas parecidas com as da Madonna, a apresentação de ontem foi melhor do que a primeira que ela assistiu na turnê The Girlie Show, de 1993. "Estou me preparando há um ano para ver este show", diz. "Na primeira vez, meu marido ficou morrendo de ciúmes e acabamos nos separando. Vale tudo pela Madonna, até separação."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.