Clássico que analisa o candomblé faz 60 anos

Candomblés da BahiaEdison CarneiroMartins Fontes178 págs., R$ 36 O baiano Edison Carneiro (1912-1972) pertenceu a uma geração que se debateu entre as estruturas acadêmicas, mais rígidas, e uma tradição vocacional e empírica, considerada desordenada, embora criativa. Nessa tensão, Carneiro foi capaz de lançar uma nova linha metodológica nos estudos afro-brasileiros. Candomblés da Bahia, cuja primeira edição está completando 60 anos, é um exemplo dessa inovação, comprometida com a experiência e a observação, ao tratar da organização social dos terreiros, da sua economia, do simbolismo da sua linguagem e de seu ritual, das hierarquias míticas e do sistema de controle. É um clássico que se tornou definitivo para consultas e análises posteriores.

, O Estadao de S.Paulo

20 de dezembro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.