Cisne Negro comemora 30 anos

Companhia fundada por Hulda Bittencourt estréia Revoada e 1, 2... 7, a partir de Stravinski, e remonta Elgar, de 1980

Livia Deodato, O Estadao de S.Paulo

08 de novembro de 2007 | 00h00

Dois bailarinos entrelaçam mãos e pés, a ponto de confundirem seus corpos. Ele abraça a cintura dela e põe-se a escutar o seu ventre, enquanto giram juntos, sobre um mesmo eixo - têm leveza e, ao mesmo tempo, são intensos. Em um determinado momento, unidos, eles formam o desenho de um cisne, homenagem prestada pelo coreógrafo romeno Gigi Caciuleanu à Cisne Negro Cia. de Dança, que comemora 30 anos de existência e estréia, a partir de amanhã, no Teatro Municipal, o novo espetáculo Revoada.A música que carrega ainda mais emoção a essa cena é O Pássaro de Fogo , do russo Igor Stravinski, que ao lado de Fogos de Artifício, do mesmo compositor, serviram de base para gerar essa nova coreografia da companhia fundada em 1977 por Hulda Bittencourt. ''''Eu tinha em mente montar um espetáculo a partir de Pulcinella, também de Stravinski, para comemorar os nossos 30 anos. Mas o Gigi, nosso parceiro há mais de 20 anos, conseguiu me persuadir e não me arrependo de forma nenhuma. Ele já tinha a coreografia em mente e montou tudo em apenas 12 dias, quando esteve aqui em julho'''', conta Hulda.O resultado, de fato, impressiona. O Estado acompanhou um ensaio, na terça-feira, na sede do grupo: sem contar com a ajuda dos figurinos , os bailarinos emocionam com movimentos ricos em poesia, criatividade e dinamismo. No repertório ainda constam a inédita 1, 2... 7, outro presente de aniversário de Caciuleanu, e a reestréia de Elgar, criada pelo coreógrafo espanhol Victor Navarro em 1980 em homenagem ao compositor britânico de mesmo nome, que tem como trilha sonora as peças Canção da Manhã e Canção da Noite, op. 15.1, 2... 7 é chamada assim por ter sido composta sobre as Suítes nº 1 e nº 2, também de Stravinski, e ser dançada por ''''sete homens à procura de personagens'''', segundo Caciuleanu. ''''É uma coreografia leve, de tom cômico e teatral'''', diz Hulda. Em cena, solos com bola de pilates, guarda-chuva e câmara de pneu que prometem descontrair e preparar o público para a Revoada.Quando a Cisne Negro completou 15 e 20 anos, Hulda preferiu montar duas retrospectivas - Clip15 e Clip20, respectivamente - com os trabalhos de maior destaque que a companhia já havia desenvolvido até então. Desta vez, optou por escolher apenas Elgar de seu repertório, coreografia que além de ter marcado uma época, em suas palavras, era a preferida de seu marido, Edmundo Bittencourt, morto há três anos. ''''É um balé romântico, puro. Sua música é divina.'''' Além disso, a companhia celebra também os 150 anos de nascimento de Elgar e os 125 de Stravinski, completados em 2007.Nos três dias de apresentação no Teatro Municipal, a Orquestra Experimental de Repertório, comandada pelo maestro Jamil Maluf, vai executar ao vivo as músicas. ''''É uma orquestra jovem e muito dedicada. Fico muito feliz em ter novamente a oportunidade de trabalhar com o maestro'''', elogia a diretora. Em 1993, a orquestra e a Cisne Negro realizaram a sua primeira parceria, quando a companhia dançou O Quebra-Nozes, de Tchaikovsky, estrelado por Ana Botafogo e Marcelo Misailidis.Aliás, a clássica coreografia, na dança dos bailarinos do grupo, continua arrancando aplausos entusiasmados por onde passa, anualmente. Este ano, eles vão apresentar O Quebra-Nozes entre os dias 13 e 20 de dezembro no Teatro Alfa. Uma curiosidade: o gerente Operacional e de Programação do Alfa, Fernando Guimarães, é ex-aluno da Cisne Negro - da época, inclusive, de sua fundação, quando o estúdio agregou alunos da Faculdade de Educação Física da USP. ''''Eu não sabia o que fazer com eles, mas não podia dispensá-los, afinal eram muito bonitos'''', brinca Hulda, ao relembrar a união que funcionou muito bem. Para o ano que vem, a Cisne Negro prepara uma homenagem aos 100 anos da imigração japonesa com a remontagem de Destino, de 1985.Serviço:Cisne Negro Cia. de Dança. Teatro Municipal. PraçaRamos de Azevedo, s/n.º, 3222-8698. 6.ª e sáb., 21 h; dom., 17 h. R$ 10 a R$ 20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.