CCBB abre retrospectiva de Basquiat no dia 25

CCBB abre retrospectiva de Basquiat no dia 25

São 80 obras na exposição do artista norte-americano, um dos mais disputados entre os colecionadores

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S. Paulo

21 Janeiro 2018 | 06h00

No dia do aniversário da cidade, 25, o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) abre uma retrospectiva do pintor norte-americano de ascendência afro-caribenha Jean-Michel Basquiat (Nova York, 1960-1988) que vai passar pelas sedes do CCBB de outras três capitais, Brasília, Belo Horizonte e Rio de Janeiro, com entrada gratuita em todas elas. Tendo como curador Pieter Tjabbes, da produtora Art Unlimited, a mostra reúne 80 obras do artista. Entre os trabalhos estão pinturas, desenhos, gravuras e cerâmicas.

As obras integram o acervo particular da família do industrial Mugrabi, de origem síria, radicado nos EUA. Ele é reconhecidamente um dos maiores colecionadores do pintor pop Andy Warhol (1928-1987). Warhol não só incentivou Basquiat no começo de carreira como pintou algumas telas com o amigo (entre 1983 e 1985). O crítico e curador Henry Geldzahler (1935-1994), numa entrevista com Basquiat, lembrou que os dois se conheceram num restaurante. Basquiat tinha 17 anos e vivia na rua, grafitando e vendendo cartões pintados por ele. Geldzahler o ignorou. E foi cruel: “Jovem demais”. Mas Andy Warhol gostou. E comprou dois cartões.

Por essa época (entre 1977 e 1979) Basquiat não se chamava Basquiat, mas Samo (de “same old shit”), pseudônimo malcriado compartilhado com outro amigo grafiteiro, Al Diaz, ainda ativo. Essa criptomensagem podia ser vista nas estações de metrô do Lower Manhattan e, particularmente, nos vagões do trem D que levava o artista para casa. Basquiat, apesar disso, não se considerava grafiteiro. De fato, muitos mitos foram criados em torno do artista: que era menino de rua e iletrado são dois deles, cita o curador Tjabbes, lembrando que Basquiat, a despeito de ter abandonado a escola, era um homem culto.

De fato, seria improvável que um pintor sem erudição tivesse produzido uma combinação tão sofisticada de palavras e símbolos em sua obra. As peças que estarão expostas no CCBB não são de fácil decodificação. Há citações literárias (especialmente Kerouac e outros escritores da beat generation), símbolos alquímicos, considerações sobre músicos de jazz (Basquiat tinha à disposição uma coleção de 3 mil discos do pai Gérard) e até referências a um clássico da anatomia humana publicado no século 19, Gray’s Anatomy, que a mãe de Basquiat comprou para ele quando o artista, aos 6 anos, foi atropelado por um carro.

No filme Basquiat – Traços de Uma Vida (1996) dirigido pelo também pintor Julian Schnabel, o esforço da mãe que reconhece o talento precoce do filho já começa nos letreiros – os dois caminham num corredor azul e topam com a Guernica de Picasso (que, na época, estava no MoMA). Como Basquiat foi uma criança problemática, a mãe matriculou-o numa escola alternativa para superdotados. Com 11 anos, Basquiat falava francês e espanhol com fluência. Aos 22, foi o artista mais jovem a entrar na Bienal do Whitney. Com o pouco tempo de vida que lhe restou (ele morreu aos 27, como Jimi Hendrix, Jim Morrison e Amy Winehouse) construiu uma obra repleta de referências autobiográficas.

Uma dessas pinturas na mostra, por exemplo, remete ao acidente de carro que lhe custou várias cirurgias, Old Cars (Carros Antigos, 1981). Aos traços infantis dos velhos carros juntam-se outras figuras que parecem igualmente produzidas com a liberdade de uma criança, como na tela The Field Next to the Other Road (1981), com mais de quatro metros de largura. Sua simplicidade formal contrasta com o tema, o enigma da morte (representada pelo esqueleto que puxa uma vaca com uma corda).

A tela foi pintada na aurora do movimento neoexpressionista, que vinha para confrontar o asséptico minimalismo dos anos 1970. Por algum tempo os críticos chegaram a classificar Basquiat como representante dessa escola, mas, observa o curador da exposição, ele resiste a ser colocado num nicho. “Basquiat foi um artista além das classificações, um multiartista, que tocava clarinete, teve uma banda e se interessava por tudo, de literatura à alquimia”, observa Tjabbes.

Por ser um afrodescendente – e ativista –, Basquiat reforçou em seus trabalhos a presença de músicos e pugilistas negros (ele queria lutar boxe com Julian Schnabel), além dos heróis das lutas pelos direitos civis. Esses surgem como personagens de histórias em quadrinhos, numa montagem que deve algo ao cinema e à técnica do cut-up da literatura beat (Burroughs, em particular). O curador Tjabbes cita também a influência das assemblages pós-pop de Rauschenberg na obra de Basquiat, assim como a ressonância da “presença escultural” das palavras nas pinturas de Cy Twombly.

 O impacto dos desenhos anatômicos de Da Vinci sobre o jovem Basquiat, segundo o crítico Jeffrey Hoffeld, tem sido subestimado pelos estudiosos de sua obra. Os velhos mestres do Renascimento nunca são citados quando se fala de Basquiat, que morreu de overdose. Vale a pena conferir essa influência na exposição, que custou aos patrocinadores da mostra a milionária soma de R$ 15 milhões para vir ao Brasil. O Masp havia programado também uma exposição de Basquiat, mas desistiu dela em comum acordo com o CCBB. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.