Ding Musa / Fundação Bienal de São Paulo
Ding Musa / Fundação Bienal de São Paulo

Brasil vira alegoria na Bienal de Veneza

O artista alagoano Jonathas de Andrade ocupou o pavilhão brasileiro da mostra italiana com ilustrações de expressões populares

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S. Paulo

22 de abril de 2022 | 05h00

Jonathas de Andrade ocupa o Pavilhão do Brasil como representante do País na Bienal de Veneza, que será aberta neste sábado, 23, com uma alegoria feita com partes do corpo e ditados populares. O prédio tem uma gigantesca orelha à entrada. O artista alagoano, de 40 anos, ilustrou expressões comuns entre os brasileiros, criando uma série de esculturas, videoinstalações e intervenções gráficas, como “faca nos dentes”, “nó na garganta” e “lamber os beiços”. Não difere muito do que muitos artistas mostram numa Bienal que tem como referência a artista e escritora surrealista britânica Leonora Carrington (1917-2011). Tudo, ou quase tudo, virou ilustração na arte do século 21.

Segundo essa estética fragmentária, que remete a um frigorífico com olhos, bocas e traseiros, Andrade recicla a ilustração pop de Lichtenstein – são impressos em papelão recortado com pontos reticulados como nos quadrinhos, alegorias com o apelo de gibis. “São 250 expressões que ganham corpo literalmente”, diz o artista, por telefone, de Veneza. Vale lembrar que, em sua última exposição em São Paulo, ele vestiu sungas em manequins sem vida.

A representação alegórica de um país em que tudo parece à beira do colapso guia a montagem do pavilhão brasileiro em Veneza. “Quando imaginei essa alegoria do Brasil, pensei, claro, no carnaval, no delírio carnavalesco, assim como no poder das expressões idiomáticas que conectam a coletividade”, justifica Jonathas. E, faltou concluir, também nas próximas eleições. Há um “dedo podre” e uma urna eletrônica que levam o visitante a uma associação inevitável com as mazelas de políticos e eleitores.

A Bienal de Veneza tem nesta edição um número recorde de artistas mulheres entre mais de 200 artistas, o que é coerente com o tributo a Leonora Carrington, artista que passou sua vida no México – basicamente em instituições psiquiátricas. O universo fantástico de Carrington tem muito a ver com sua biografia inventada, em que ela nasce de um cruzamento híbrido entre um humano (sua mãe) e uma máquina. A curadora da mostra italiana, Cecilia Alemani, primeira mulher a dirigir a Bienal em 130 anos, quis traduzir o mundo pós-pandêmico, em que, de certa forma, muitos perderam sua identidade, viraram robôs ou simplesmente números por causa da covid-19.

A pandemia, acrescenta Jonathas, também tem a ver com seu trabalho em Veneza. Um coração saindo pela boca ilustra a expressão por meio de um balão inflado que vai tomando corpo e invadindo o espaço, oprimindo o espectador e dificultando seu acesso a outras obras no pavilhão. “Como o corpo reage à compressão de um coração que fica do tamanho de uma pessoa?” Ele fez a si mesmo a pergunta que, no passado, artistas como Hélio Oiticica, Lygia Clark e Lygia Pape fizeram – Oiticica ao criar o Parangolé, Lygia Clark, ao inventar o seu Corpo Coletivo, e Lygia Pape, ao bolar seu Divisor.

 A representação metafórica das partes do corpo como poder do coletivo, segundo Jonathas, acolhe “tantas matizes sociais, classistas e de gênero que o paralelismo com a potência da literalidade é um convite para remexer essas energias”. Embora meio século separe o alagoano dos citados artistas, todos mortos, o Brasil não mudou muito – ou mudou, para pior. No passado, ao vestir um Parangolé, a pessoa abandonava seu papel de espectador passivo para se tornar parte da obra de arte. No Divisor de Lygia Pape, todos estavam unidos sob um lençol de dimensões continentais. Com o Brasil polarizado, essa união parece utópica. Não se usa truísmos, a exemplo da artista conceitual Jenny Holzer, impunemente.

Representar o país em Veneza virou, então, um incômodo? “Não, representar o Brasil é uma honra, pois essas imagens têm um poder gigante, o de mostrar que o presente histórico e o passado doloroso, de censura às liberdades individuais, estão conectados”.

Para evitar uma tradução livre de expressões idiomáticas, Jonathas pediu aos tradutores que fossem fiéis aos ditados populares, despertando a curiosidade do público. Há aí uma coerência que converge para o tema surrealista da Bienal de Veneza, inspirado num livro infantil de Leonora Carrington, The Milk of Dreams. Nele, a escritora britânica fala de um mundo em que criaturas híbridas passam por metamorfoses constantes, capazes de se transformar em qualquer ser ou coisa. Robôs? Transformers? Quem sabe? O futuro chegou cedo demais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.