DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO

Brasil não começou a pintar com a missão francesa, mas com índios, dizem ensaístas

Livro 'Sobre a Arte Brasileira', coedição da Editora WMF/Martins Fontes e Edições Sesc, chega às livrarias no dia 10 de abril

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S. Paulo

14 Março 2015 | 03h00

A tela abaixo, Arrufos, exposta por seu autor Belmiro de Almeida em 1887, marcou uma revolução estética dois anos antes da proclamação da República. No lugar do imperador e figuras ilustres, o pintor, ainda que por influência dos realistas europeus, pinta um casal burguês após uma discussão. A mulher chora sobre o sofá, enquanto o marido indiferente exerce seu papel de patriarca arrogante. Não era um tema comum para a sociedade brasileira da época, assumindo que o pintor toma a defesa da mulher, ao retratar o marido como um chauvinista.

Por que o pintor, que não ignorava a Academia, desprezou os temas históricos para se ocupar de cenas domésticas? A resposta está no livro Sobre a Arte Brasileira, coedição da Editora WMF/Martins Fontes e Edições Sesc que chega às livrarias no dia 10 de abril. Com organização de Fabiana Werneck Barcinski e participação de diversos especialistas, o livro pinta um panorama completo da arte brasileira, da pré-história aos anos 1960, a década prodigiosa que alterou definitivamente os rumos artísticos de um país historicamente marcado pela presença estrangeira.

Já no primeiro capítulo é possível atestar o empenho dos autores em promover uma revisão histórica, ao incluir nele gravuras rupestres e artefatos indígenas. É legítimo falar em “arte brasileira” com características próprias e espaço definido sem tocar no assunto? O historiador Francisco Alambert, que abre o livro defendendo a necessidade de uma história social da arte brasileira, lembra a urgência de reavaliar todo o processo que desemboca na modernidade, para que, no futuro, os escolares não sejam obrigados a engolir mais uma vez que a arte brasileira começa com a vinda da missão francesa ao Brasil.

A respeito do olhar estrangeiro e da representação do Brasil por artistas franceses como Debret ou holandeses como Eckhout, um capítulo inteiro analisa as circunstâncias históricas da vinda dessas comitivas ao Brasil, propondo uma questão curiosa: por que não é conhecida nenhuma representação visual da natureza na colônia por um artista português em data anterior ao século 18? (a exceção fica por conta do frei franciscano Cristóvão de Lisboa). Resposta: porque a noção de desenho, entre os portugueses, estaria estreitamente vinculada à manufatura, ao caráter instrumental das academias militares, defendem os autores. Portugueses treinavam desenho com base em manuais, não a partir da observação da natureza. Ao contrário do desenho naturalista de Debret, o português tendia a geometrizar as formas.

Pode parecer boutade, mas isso talvez explique algo a respeito da “vocação” construtiva da arte brasileira. No capítulo dedicado às relações entre a Academia, a natureza e a política (entre 1816 e 1857), parece estranho aos autores que D. João VI, de uma família expulsa da Europa por Napoleão, ter convocado uma missão artística francesa no lugar de seus compatriotas portugueses – o crítico Mario Pedrosa defendia que os franceses vieram por conta própria, sem convite. Seja como for, a arte brasileira já existia antes de Debret e Taunay e da fundação da Academia. Da mesma forma, a arte moderna brasileira não nasceu na França, nem o concretismo ou a arte experimental dos anos 1960 são frutos da clonagem da arte estrangeira. É o que mostra o livro, que traz um capítulo sobre a arte popular, prova da riqueza e diversidade brasileira.

TEMAS POLÊMICOS

Arte indígena

Historiadores desprezaram a arte indígena, sobretudo a rupestre

Academia reformulada

Debret ajudou a criar a Academia, mas não a identidade nacional

Modernismo

Paulistas podem ter criado a Semana de 22, mas não são os protagonistas da modernidade

SOBRE A ARTE BRASILEIRA

Org.: Fabiana Werneck Barcinski

Editoras: WMF Martins Fontes e Edições Sesc (368 págs., R$ 128) 

Nas livrarias em 10/4

Mais conteúdo sobre:
Visuais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.