Brasil e Itália assinam novo acordo de produção

Documento será firmado neste mês durante o Roma FilmFest, evento que homenageia o País em 2008

Flávia Guerra, O Estadao de S.Paulo

09 Outubro 2007 | 00h00

O Festival de Cinema de Roma 2007 realiza sua segunda edição neste mês. A dez dias de seu início, já mobiliza a crítica e os produtores mundiais e é apontado como o novo ''''maior festival de cinema da Itália''''. Maior, mas ainda não o melhor. Ou quase. Roma investiu pesado neste ano e vai exibir o primeiro filme de Francis Ford Coppola depois de dez anos longe das telas, Youth Without Youth; além de contar com presenças como Cate Blanchett e Clive Owen, que fazem lá a première mundial de Elizabeth: The Golden Age, de Shekhar Kapur. Longe das telas, mas não muito, durante o RomaFilmFest ocorre o New Cinema Network, feira que tem sido apontada como uma das mais prolíficas de todo o circuito de grandes festivais. Mais que um festival somente de exibição, como é Veneza, Roma quer ser um festival de negócios. De olho na fatia de mercado que lhe cabe, o Brasil marca presença no evento e assina lá o acordo para a criação de um fundo de desenvolvimento de projetos brasileiros de ficção e documentários em co-produção com a Itália. Anunciado na semana passada, no Festival do Rio, o acordo entra em vigor em 2008 e a parceria será estabelecida entre o Instituto Luce, Cinecittá Holding, do governo italiano, e a Agência Nacional de Cinema. ''''A parceria prevê co-produções. É um momento especial para as relações entre os dois países'''', declara e o diretor geral da Cinecittá Holding, Francesco Carducci. ''''Já fizemos isso com a Argentina ano passado. Devemos assinar também com o México'''', declarou Carducci. Para o diretor, a co-produção é a melhor forma de tanto a América Latina quanto a Europa encontrarem uma terceira via no saturado mercado de cinema mundial. ''''Os países precisam se unir. Brasil e Itália têm muito em comum, economica e culturalmente'''', acrescenta o presidente da Ancine, Manoel Rangel. Sobre o acordo de co-produção Brasil-Itália, que existe há 30 anos e permitiu a realização de Estômago (vencedor de quatro prêmios no Festival do Rio), Rangel informa que está em processo de revisão. ''''Muita coisa mudou e precisamos atualizar. Deve ficar pronto no início de 2008.'''' Enquanto isso, o Brasil também se articula para ocupar seu espaço nas telas italianas. No dia 26, uma cerimônia na Embaixada Brasileira em Roma comemora a escolha do Brasil como o ''''País Foco'''' da terceira edição do Festival de Roma, em 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.