Bob Dylan e suas múltiplas personas em Não Estou Lá

Como retratar um artista multifacetado como Bob Dylan? Bem, haveria muitas soluções, mas o diretor Todd Haynes encontrou uma das mais originais em Não Estou Lá (Telecine Premium, 22 horas): escalou vários atores para interpretar o cantor e compositor, e inclusive uma atriz, Cate Blanchett, indicada para o Oscar pelo papel. O filme também concorreu no Festival de Veneza. Originalidades dão certo, ou não. No caso, o saldo parece positivo, embora tenha agradado mais aos fãs de Dylan do que àqueles que gostariam de se informar, de maneira mais convencional, sobre a trajetória do ídolo.Isso porque Não Estou Lá se desenvolve como uma espécie de falso documentário. A trilha é toda de Dylan e as letras servem como roteiro intelectual e sentimental do artista. As "personas" atribuídas a Dylan seriam o recurso mais aproximado para captar, no todo, essa personalidade complexa. Haynes chegou a conversar com o próprio Dylan sobre o projeto? Sim. Dylan autorizou-o, mas não conseguiu (ou não quis) abrir brecha na agenda para recebê-lo ou discutir essa opção artística inusitada. Como o filme é todo ele invenção e construção hipotética, talvez esse encontro não tenha feito falta. E é bom filme.

Luiz Zanin Oricchio, O Estadao de S.Paulo

08 de dezembro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.