Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Bienal revela 12 projetos individuais selecionados para a 33ª edição

Com curadoria de Gabriel Pérez-Barreiro, o evento apresenta uma alternativa ao uso de temáticas

Pedro Rocha, ESPECIAL PARA O ESTADO

20 Março 2018 | 15h00

Os 12 projetos escolhidos para 33ª Bienal de São Paulo foram apresentados nesta terça-feira, 20, pela fundação que cuida do evento. Com curadoria do espanhol Gabriel Pérez-Barreiro, a nova edição, que ocorre entre 7 de setembro e 9 dezembro, traz uma alternativa ao uso de temáticas curatoriais.

“A Bienal de São Paulo tem uma longa história, modificada ao longo dos anos. Queremos um modelo mais dinâmico que venha a substituir um tema”, afirma Pérez-Barreiro ao Estado. Apesar de não ter um tema, a escolha dos projetos foi guiada por um título: Afinidades afetivas – inspirado pelo romance Afinidades eletivas (1809), de Johann Wolfgang von Goethe, e pela tese Da natureza afetiva da forma na obra de arte (1949), de Mário Pedrosa. Dessa forma, a mostra, segundo o comunicado oficial, é concebida a partir de “vínculos, afinidades artísticas e culturais entre os artistas envolvidos”. “Sempre achei o conceito desta obra de Goethe muito bonito, pelo seu paralelo com o modo como as moléculas se escolhem”, explica o curador. 

Para o espanhol, o grande desafio foi pensar numa reflexão para o modelo de bienais. “Se fala muito numa crise nas bienais, está se gerando um cansaço”, pondera. “Um motivo possível é por se parecer um modelo operacional, então quis questionar esse automatismo.” Para quebrar o padrão temático, Pérez-Barreiro visitou artistas, ateliês e fez a escolha baseado em afinidades. 

A seleção final inclui 12 projetos individuais. Oito foram comissionados. O portenho Alejandro Corujeira vai apresentar esculturas e pinturas; Denise Milan, esculturas e instalações com grandes pedras e cristais; Maria Laet​ e Vânia Mignone​ trabalham o cotidiano em vídeo e pinturas inéditos, respectivamente; Nelson Felix, uma nova instalação escultórica; Tamar Guimarães, um novo vídeo com abordagem crítica sobre as instituições a preocupações poéticas e narrativas; e Bruno Moreschi​ e Luiza Crosman​, com suas pesquisas, “se relacionam com a corrente da crítica institucional e fogem de suportes artísticos tradicionais”.

++ Masp inicia ano de narrativas afro-atlânticas com Aleijadinho e Maria Auxiliadora

​Com a série de pinturas Césio/Rua 57, do goiano Siron Franco, Pérez-Barreiro busca ainda um resgate histórico – da série artística em si e da tragédia radioativa em Goiás. “Quando comecei a entrar em contato com a arte brasileira, questionava pessoas abaixo de 40 anos e muitas não conheciam o trabalho de Franco ou o acidente”, explica o curador. “Além de apresentar criações dos últimos dois anos, a Bienal tem a responsabilidade de contextualizar e contar essas histórias”, diz, relacionando o acidente com outra tragédia mais recente, a de Mariana, em Minas Gerais. 

Para completar a seleção final, a curadoria da Bienal de São Paulo resolveu homenagear três artistas já falecidos, com a obra pouco conhecida no Brasil. A goiana Lucia Nogueira​, que trabalhou em Londres, onde morreu em 1998, é uma delas. Para a 33ª Bienal, o foco está em suas esculturas e instalações. Aníbal López, morto em 2014 aos 60 anos, um dos primeiros artistas a introduzir a performance na Gautemala, também é lembrado. Seu trabalho, com forte caráter político, sobre questões de fronteira e cultura indígena, além de protestos ao próprio mundo da arte, estará presente na mostra com registros em vídeo e fotografias.

Feliciano Centurión​, paraguaio radicado na Argentina, e morto em 1996 aos 34 anos, vítima da AIDS, completa a lista. Expoente da chamada geração “Rojas”, Centurión trabalhava principalmente com tecidos e bordados, com o universo queer muito presente em suas obras. “Morreram muito cedo e têm uma produção madura e consolidada, mas poucas possibilidades”, explica Gabriel Pérez-Barreiro. “É um esforço histórico que a Bienal pode fazer. A morte precoce traz o risco de serem esquecidos.” Outro fato comum entre os três é o trabalho nos anos 1980 e 90, após a redemocratização de países latinos. “Essa geração foi muito importante, foi a saída da ditadura”, afirma o curador. “Usavam a subjetividade como fator político, com mais visibilidade ao corpo, sexualidade e escolhas pessoais.”

Os 12 trabalhos selecionados por Pérez-Barreiro se juntam a sete outras mostras coletivas, concebidas por artistas-curadores já anunciados anteriormente pela Fundação Bienal de São Paulo, e que terão suas proposições curatoriais detalhadas em breve. São eles o uruguaio Alejandro Cesarco, o espanhol Antonio Ballester Moreno, a argentina Claudia Fontes, a sueca Mamma Andersson, os brasileiros Sofia Borges e Waltercio Caldas e ainda a norte-americana Wura-Natasha Ogunji.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.