Bienal oferece espaços distintos

Disposta a agradar público de gostos diferenciados, feira valoriza jovens, crianças e debates femininos

Ubiratan Brasil, O Estadao de S.Paulo

10 de setembro de 2009 | 00h00

O desafio começa a ser enfrentado hoje, quando os pavilhões do Riocentro, no Rio de Janeiro, estarão abertos para receber cerca de 600 mil pessoas até o dia 20. Nesse período, ocorre a 14ª Bienal Internacional do Livro, o maior evento literário do Brasil, que contará com um total de 67 sessões de debates e 84 apresentações voltadas para o público infanto-juvenil. Uma programação cuidadosamente preparada para preservar uma fórmula ameaçada de extinção - com a profusão de festivais literários pelo País, a maioria em formatos reduzidos e buscando a intimidade entre leitores e escritores, a bienal, antes dominante na divulgação da literatura, perdeu suas características e quase se transformou em uma imensa livraria, desprovida do necessário calor humano exigido pelos leitores.

"Nosso objetivo é renovar os antigos formatos, dar qualidade aos debates e, principalmente, segmentar as atrações conforme os diferentes públicos que vão frequentar a Bienal", explica Roberto Feith, presidente da editora Objetiva e vice do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel), entidade que organiza a Bienal ao lado da Fagga Eventos. "A Bienal quer consolidar sua tradição de formadora de leitores", completa Sonia Machado Jardim, que preside a Snel.

Assim, de olho tanto no público mais exigente, habituado a eventos como a Festa Literária Internacional de Paraty, como aquele cuja presença cresce no mercado editorial, notadamente das classes C e D, por conta da evolução econômica, os organizadores preparam atividades variadas. Para o leitor mais acostumado com o mundo literário, o Café Literário - espaço destinado a encontros de estilos e gerações - vai apresentar desde autores de uma literatura mais popular (como Bernard Cornwell) até a mais refinada (David Grossman). A intenção é promover debates entre brasileiros e estrangeiros, o que ocorre quando Daniel Piza, editor executivo do Estado, encontrar-se com o americano David Grann, no sábado.

Uma novidade é o espaço Mulher e Ponto. Inspirado no Café Literário, será o ponto de encontro de discussões especificamente femininas - "troca de experiências", no entender da curadora Sonia Biondo. Já crianças e adolescentes, sempre afeitos a novidades tecnológicas, serão brindados com o espaço Floresta de Livros, no qual as árvores "falam", as copas formam palavras e telas de LCD reproduzem o Livro Mágico, cujas páginas podem ser folheadas.

Tantas novidades resultaram em um orçamento de R$ 24 milhões (R$ 4 milhões a mais que 2007), dos quais R$ 1,7 milhão investido só na programação cultural.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.