Bienal de Veneza quer a arte do diálogo

Mostra tradicional de artes plásticas tem início amanhã sob o tema Fazer Mundos

Camila Molina, O Estadao de S.Paulo

05 de junho de 2009 | 00h00

Fazer Mundos (Making Worlds/Fare Mondi) é o título/tema da 53ª Bienal de Arte de Veneza, que terá sua abertura oficial amanhã, com a entrega dos prêmios Leão de Ouro para Yoko Ono (escolhida para a honraria por suas criações de raiz conceitual e não por ser viúva do ex-Beatle John Lennon) e para o artista americano John Baldessari, e inauguração para o público no domingo. A mostra mais tradicional do mundo, de longa duração - ficará em cartaz até 22 de novembro - está, ao lado da Documenta de Kassel, na Alemanha, entre os eventos mais importantes do calendário das artes visuais. Neste ano, com curadoria geral do sueco Daniel Birnbaum, a mostra, nos espaços do Arsenale e dos Giardini da cidade italiana, tem como proposta fazer a relação entre a produção de arte recente com o lastro das pesquisas de artistas já históricos, porém, que se estabeleceram a partir de um passado recente, o de força?? a partir da década de 1960. Fazer Mundos, na verdade, é tecer e reconhecer os diálogos entre as gerações, mais do que seria o ato de concretização de um projeto para o estado de objeto de arte em suas diversas linguagens.Birnbaum, nascido em 1963 em Estocolmo, fala em texto sobre a 53ª Bienal em uma "história da arte contemporânea" e dentro dela já inclui nomes como Gordon Matta-Clark, Blinky Palermo e da brasileira Lygia Pape (1927-2004). Como conta a fotógrafa Paula Pape, filha de Lygia e responsável pela direção da associação cultural (Projeto Lygia Pape) que mantém e divulga a obra da artista, desde sua morte, o argumento primeiro que Birnbaum e o alemão Jochen Volz, cocurador desta edição da Biennale (e com grande relação com o Brasil, já que é um dos curadores do Instituto Inhotim em Minas Gerais) usaram foi o de que "Lygia influenciava os jovens artistas". "E ela sempre esteve rodeada de jovens; então, é algo que vai de encontro a ela como pessoa", diz Paula.A Lygia Pape que sempre esteve ao lado de Lygia Clark e Helio Oiticica, uma das criadoras fundamentais de "dentro e além do movimento neoconcreto", como afirma o crítico inglês Guy Brett - é uma das responsáveis por criar obras abertas à participação (arte/vida/comportamento), mas de maneira objetiva e inteligente - estará representada agora em Veneza por duas obras. No pavilhão Itália nos Giardini estará o painel Livro da Criação, de 1959, e já na entrada do Arsenale receberá o visitante uma de suas mais impactantes instalações, uma das versões de sua série Ttéia, poema visível e delicado feito apenas de fios e luz. "Os curadores disseram que a Ttéia seria uma das obras fundamentais da exposição e poderíamos escolher onde ela ficaria", conta Paula. Ao ver as plantas e fazer maquetes, ela, o engenheiro Ricardo Fortes (que trabalhou com Lygia) e a curadoria da Bienal decidiram que a instalação abriria a primeira sala do grande espaço do Arsenale. Desde o fim de abril, a Ttéia, quadrada, com cerca de 7 metros de altura, está montada entre quatro colunas do local, tornando-se única.Além da participação de Lygia Pape, esta 53ª Bienal de Veneza, com obras de 90 artistas de todo o mundo e inclusões de criações em outros campos que não o só das artes plásticas, como a parada do compositor Arto Lindsay por Veneza hoje; as participações do coreógrafo americano William Forsythe; e do projeto literário Moscow Poetry Club, o evento reserva entre os destaques do Brasil a instalação inédita do carioca Cildo Meireles. Ele é dos poucos artistas brasileiros de destaque de fôlego na cena internacional e, nas palavras de Birnbaum, está entre os grandes criadores que "combinam a sensibilidade pictórica com a exploração do espaço, no sentido psicológico, arquitetônico e urbanístico". Para o campo dos artistas de lastro, chama-se ainda a atenção para Öyvind Fahlström (1928-1976), que nasceu em São Paulo, mas deixou o Brasil aos 11 anos para viver na Suécia. Considerado um dos criadores-chave da cena dos anos 60 e 70, com obra política, Fahlström, totalmente desconhecido no Brasil, foi trazido à tona na 6ª Bienal do Mercosul, em 2007, em Porto Alegre, pela exposição monográfica feita pela curadoria do espanhol Gabriel Pérez-Barreiro.REPRESENTAÇÃO NACIONALA história por trás da representação nacional do Brasil nesta 53ª Bienal de Veneza se transformou em uma pequena novela nos últimos meses. O curador Ivo Mesquita, convidado pela Fundação Bienal de São Paulo para escolher os artistas que representariam o País no Pavilhão Brasileiro em Veneza, selecionou o fotógrafo paraense Luiz Braga e o artista alagoano Delson Uchôa. O problema é que a Fundação Bienal de São Paulo, imersa em crise interna relacionada à transição entre presidências (de Manoel Pires da Costa, que terminou, oficialmente, em 6 de fevereiro, para a de Heitor Martins, eleito no último dia 28 de maio), não tinha condições de conseguir os recursos necessários para a mostra dos brasileiros em Veneza. Quase que o Pavilhão Brasil ficou vazio. Mas o Ministério da Cultura, por meio da Funarte, forneceu os recursos para a exposição de Braga e Uchôa, assim como as galerias que representam os artistas (Leme e Luciana Brito, respectivamente) contribuíram para a viagem. A Fundação Bienal de São Paulo também, como afirmou Pires da Costa, entrou com cerca de R$ 70 mil dos R$ 350 mil que são o montante total desta participação oficial brasileira em Veneza. O pavilhão brasileiro não ficará vazio e até mesmo foi reformado, porque havia muitas queixas quanto ao estado do espaço. Desde a década de 1990, a Fundação Bienal de São Paulo tem convênio com a Fundação Bienal de Veneza para a realização da Representação Nacional brasileira no evento. Já o espaço do Pavilhão Brasil nos Giardini é de responsabilidade do Ministério das Relações Exteriores. Com a crise recente da Bienal de São Paulo, vieram à tona discussões sobre qual seria a melhor instituição brasileira a ser a responsável pela iniciativa. ParticipantesDESTAQUESMiranda July (EUA)Michelangelo Pistoletto (Itália)Sara Ramo (Espanha)Simon Starling (Reino Unido)Steve McQueen (representação Reino Unido)Bruce Nauman (representação EUA)William Forsythe (EUA)LEÃO DE OUROJohn Baldessari (EUA)Yoko Ono (Japão)ARTISTAS BRASILEIROSÖyvind FahlströmArto Lindsay (nasceu nos EUA, mas trabalha e vive no Rio)Cildo MeirelesLygia PapeRenata LucasLuiz Braga (representação nacional)Delson Uchôa (representação nacional)ESTIVERAM NA BIENAL DE SÃO PAULO28ª BSP:Joan Jonas (EUA)Carsten Höller (Bélgica)27ª BSP:Dominique Gonzalez-Foerster (França)Goshka Macuga (Polônia)Gordon Matta-Clark (EUA)Hector Zamorra (México)Marjetica Potrc (Eslovênia)Rirkrit Tiravanija (Argentina)Tomas Sarraceno (Argentina)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.