Pedro Ivo Trasferetti/Fundação Bienal de São Paulo
Pedro Ivo Trasferetti/Fundação Bienal de São Paulo

Bienal de São Paulo, que começaria em setembro, muda de data

Decisão foi tomada com o objetivo de garantir a segurança dos visitantes, artistas e colaboradores em meio à pandemia do coronavírus

Redação, O Estado de S. Paulo

25 de março de 2020 | 11h55

Prevista para começar no dia 5 de setembro, a Bienal de São Paulo acaba de anunciar que sua 34.ª edição será realizada entre os dias 3 de outubro e 13 de dezembro. Segundo os organizadores, as exposições de Clara Ianni e Deana Lawson e as performances de León Ferrari e Hélio Oiticica que aconteceriam entre abril e agosto serão incorporadas à mostra coletiva. 

A decisão, segundo comunicado da Fundação Bienal, foi tomada com o "objetivo de garantir a segurança de seus visitantes, artistas e colaboradores, em consonância com os desafios enfrentados por todo o mundo neste momento delicado". Museus estão fechados e praticamente toda programação cultural do mundo foi cancelada como uma forma de ajudar a combater a disseminação do coronavírus.

Ainda segundo o comunicado, as atividades de programação pública, em curso desde o final do ano passado, serão retomadas assim que possível. Enquanto isso, conteúdos da 34ª Bienal serão compartilhados no site da instituição, em suas redes sociais e por meio de newsletters. 

O tema da Bienal de São paulo 2020 é Faz Escuro Mas Eu Canto.

"A arte, com sua capacidade de estabelecer conexões e emocionar, é, agora, mais necessária do que nunca. As equipes da Bienal estão trabalhando (remotamente) para que a instituição contribua de alguma forma, no seu âmbito de atuação, durante este momento difícil", escreve José Olympio da Veiga Pereira, presidente da Fundação Bienal de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.