Atividade teatral em debate na 6.ª edição do Próximo Ato

Evento concentra teóricos de 3 regiões do Brasil e do exterior

Beth Néspoli, O Estadao de S.Paulo

04 de novembro de 2008 | 00h00

Começa hoje mais uma edição do Próximo Ato no Itaú Cultural, evento que reúne teóricos e criadores, do Brasil e do exterior, para debater a atividade teatral. Em sua 6ª edição, o Encontro Internacional de Teatro Contemporâneo ganhou um novo formato, descentralizado: as reuniões começaram em agosto em Belo Horizonte, com representantes de 30 grupos da região Sudeste. Em setembro, foi a vez do Recife sediar um encontro de 40 grupos nordestinos e, no mês seguinte, 20 coletivos se reuniram em Porto Alegre. Assim, a programação que começa hoje em São Paulo, internacional, buscar ter caráter de continuidade.Não por acaso, a abertura hoje à noite se dá com o lançamento do livro Próximo Ato: Questões da Teatralidade Contemporânea, organizado pela dramaturga Fátima Saadi e pela professora Silvana Garcia, uma espécie de balanço das reflexões levantadas nas cinco primeiras edições, por meio de artigos e entrevistas. Desde 2006 o Teatro de Grupo é tema do Próximo Ato, que tem curadoria de Antônio Araújo, diretor do Teatro da Vertigem; de José Fernando Azevedo, diretor do Teatro de Narradores e da atriz e educadora Maria Tendlau. Neste ano, todas as manhãs estão reservadas para reunião dos grupos que já participaram dos encontros regionais, agora chamados para São Paulo. "Esses encontros não estão abertos ao público, mas são muito importantes, é o momento em que grupos do Sul vão dialogar com os do Nordeste e do Sudeste", observa Antônio Araújo.Na programação concentrada e robusta chega ser difícil destacar focos especiais de atração. Ressalte-se a presença do crítico Rodrigo Naves na abertura. "Suas idéias sobre a timidez formal nas artes plásticas inspiram o tema desta edição, Experiência e Forma", diz Araújo. Outra presença importante é da pesquisadora cubana radicada no México Ileana Diéguez Caballero. "Ela conhece profundamente a cena teatral latino-americana contemporânea, a realização de grupos jovens, de linguagem ?de ponta?, mais investigativa", diz Araújo. "Há uma pulsação nesse teatro pouco conhecida no Brasil." Criado na fronteira entre artes plásticas, dança e teatro, o espetáculo Lola, da diretora espanhola Marta Galán, outra participação importante, encerra o encontro.ProgramaçãoHOJEAbertura para convidadosLançamento do livro Próximo Ato: Questões da Teatralidade ContemporâneaAMANHÃLimites da Experiência e a Timidez Formal no Teatro e nas Artes Plásticas Com Erika Fischer-Lichte (ALE) e Rodrigo Naves (BRA)QUINTAA Materialização da Forma: Proposições e Práticas de Viabilização e Manutenção do Trabalho TeatralCom Celso Frateschi (BRA), David Jubb (ING) e David Micklem (ING)SEXTANossa Estética É Nossa Fome? Cinema, Artes Performáticas: Impasses e Limites Com Ismail Xavier (BRA) e Ileana Diéguez (MEX)SÁBADO E DOMINGO, 19H30Espetáculo Lola, de Marta Galán, com Santiago MaravillaCURSOSAmanhã, quinta e sexta - 14 hO Entrelaçamento Internacional de Culturas TeatraisCom Erika Fischer-Lichte (ALE)QUARTA E QUINTA - 16H30Os Limiares da Cena - Teatralidades, Performances e PolíticaCom Ileana Diéguez (MEX)SEXTA E SÁBADO - 16H30Playgrounding Com David Jubb (Reino Unido) e David Micklem (Reino Unido)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.