Xinhua/Panoramic/ZUMAPRESS
Xinhua/Panoramic/ZUMAPRESS

Ataques terroristas e alta de rio derrubam número de visitantes no Louvre

Foram 7,3 milhões de visitantes registrados em 2016, uma queda de 15% em relação ao ano anterior

EFE, O Estado de S.Paulo

05 Janeiro 2017 | 11h39

O Museu do Louvre teve queda de 15% na visitação em 2016, com relação ano anterior, conforme revelaram nesta quinta-feira os administradores do local, que apontaram os ataques terrorista na França como fator de redução do número de turistas.

Segundo comunicado divulgado pelo Louvre, 7,3 milhões de visitantes foram registrados no ano recém-encerrado. Se forem somadas as pessoas que visitaram as coleções que estão em Lens, no norte do país, a marca chega para 7,7 milhões.

A queda, de acordo com a direção do museu, não aconteceu apenas pela ameaça terrorista, que afugentou turistas, mas também pelo fechamento preventivo de quatro dias, no início de junho, provocado pela alta do rio Sena.

Cerca de 70% dos visitantes do Louvre são estrangeiros, provenientes, principalmente, de Estados Unidos, China, Reino Unido, Espanha e Itália, o que explica o forte impacto no desempenho dos números do turismo do país. O número de visitantes franceses, inclusive, se manteve estável com relação a 2015, em dois milhões, embora tenha sido registrada redução nos grupos des estudantes, devido a intensificação das medidas antiterroristas no país. Ao todo, foram 365 mil alunos em 2016, contra 510 mil em 2015.

A direção divulgou que, embora a visitação tenha caído, aumentou o número de pessoas que se declararam satisfeitas com o Louvre, de 70% no ano passado, contra 53% no anterior. Além disso, é o museu com mais "amigos" no Facebook (2,3 milhões), o mais marcado no Instagram e o mais seguido no Twitter.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.