Jennifer Lorenzini/ Reuters
Jennifer Lorenzini/ Reuters

As três versões da 'Pietà' de Michelangelo são exibidas juntas pela primeira vez

A exposição permite fazer um balanço do estilo do artista, da sua evolução durante os cinquenta anos que separam a primeira 'Pietà' das outras duas

Gildas Le Roux, AFP

23 de fevereiro de 2022 | 17h55

A Pietà de Michelangelo, escultura de mármore que simboliza o amor maternal admirada em todo o mundo na Basílica de São Pedro, no Vaticano, ofuscou duas outras versões comoventes do mesmo tema esculpidas pelo gênio renascentista.

Por esta razão, o museu Duomo de Florença, a catedral, proprietária da chamada Pietà Florentina ou Bandini, que acaba de ser restaurada, decidiu expor as três obras juntas pela primeira vez, graças a empréstimos feitos pelo Museus do Vaticano e o museu do Castelo Sforzesco em Milão, onde está localizada a chamada Pietà Rondanini.

Instaladas uma em frente a outra, em uma elegante sala cinzenta, essas variações sobre o mesmo tema (Maria abraçando seu filho falecido), foram realizadas em diferentes fases da vida do artista, que morreu aos 88 anos (1475-1564).

Para o diretor do museu florentino, Timothy Verdon, é uma oportunidade única de captar a evolução intelectual e espiritual de um artista tão importante "que esteve a serviço dos papas durante a maior parte de sua carreira", disse. 

A Pietà do Vaticano, feita entre 1498 e 1499, quando ele tinha menos de 25 anos, surpreendeu seus contemporâneos, deslumbrados com a beleza humilde desta Virgem em prantos, cujo corpo está envolto em um hábil conjunto de tecidos.

Michelangelo, criticado então por retratar uma Maria tão jovem, justificou-se explicando que a virgindade e a pureza mantinham as mulheres jovens e bonitas. 

De joelhos está o filho, falecido aos 33 anos, cujo rosto sereno já anuncia a Ressurreição.

Este símbolo universal de beleza e amor recebeu quinze marteladas em 21 de maio de 1972 por uma pessoa desequilibrada, que quebrou o nariz e parte de um dos braços da Virgem. Desde então, a obra restaurada está protegida por vidro blindado.

As angústias de um gênio

Por uma estranha reviravolta do destino, o próprio Michelangelo, conhecido por seu caráter irascível, e insatisfeito com a segunda versão da Pietà feita em 1547, atacou-a com um martelo alguns anos depois, e as marcas ainda são vistas hoje no ombro de Jesus e na mão de Maria. 

Ao embarcar na segunda versão, que nunca terminou, o artista, então com 72 anos e sofrendo de depressão, sentiu que a morte se aproximava depois de ter vivido os altos e baixos da história, em particular o saque de Roma em 1527. 

A exposição destas três obras "permite fazer um balanço do estilo de Michelangelo, da sua evolução durante os cinquenta anos que separam a primeira Pietà das outras duas, e da transformação drástica e surpreendente entre as duas últimas", explicou Timothy Verdon.

A terceira Pietà, chamada Rondanini, é sem dúvida a mais surpreendente para um público menos informado: deslumbrante em sua modernidade, a escultura, de dois metros de altura, iniciada em 1552, foi encontrada na residência romana do artista depois de sua morte. 

Seu caráter inacabado dá à obra um toque frágil e imperfeito, comunicando a angústia humana de quem está a um passo da morte, que temia o julgamento divino e havia feito voto de pobreza.

Sob o lema "não se pensa quanto custa o sangue", do Paraíso de Dante Alighieri, que Michelangelo escreveu pouco antes de sua morte em um desenho da Pietà, a exposição ficará aberta até 1.º de agosto. É organizada por ocasião do evento Mediterrâneo Fronteira de Paz 2022, que reunirá bispos e prefeitos do Mediterrâneo em Florença e no qual o papa Francisco participará no próximo domingo.

 

Tudo o que sabemos sobre:
artes plásticasMichelangeloescultura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.