As jóias raras do Russian State Ballet

Pela primeira vez no País, cia. mostra compilação de suas obras-primas

Livia Deodato, O Estadao de S.Paulo

25 de março de 2008 | 00h00

Hoje é o único dia para os paulistanos conhecerem o vigor técnico aliado à graça do Russian State Ballet, companhia que já conquistou boa parte do mundo. Pela primeira vez no Brasil, os bailarinos sediados em Moscou vêm apresentar o espetáculo Jóias do Balé Russo, que agrega trechos de clássicas coreografias como O Lago dos Cisnes, O Quebra-Nozes, A Dama e o Vagabundo, Sherazade, Pas de Quatre e La Bayadère. No elenco, artistas de várias nacionalidades - ''Thiago Soares, famoso bailarino brasileiro (que iniciou sua carreira ao som do hip hop, praticando capoeira e circo), por exemplo, já trabalhou conosco'', exemplifica o diretor artístico Viatcheslav Gordeev, quem pouco conhece o balé brasileiro. ''Esta será uma oportunidade para conhecê-lo melhor'', diz.A missão fundamental do Russian State Ballet, segundo Gordeev, em entrevista por e-mail ao Estado, é a de preservar as tradições da dança clássica russa, apesar de não ignorar a força dos movimentos contemporâneos. ''Nossa missão é conservar o estilo clássico da dança russa e restaurar aquilo que está esquecido. Ao mesmo tempo, não nos negamos a realizar experimentos com jovens coreógrafos que tratam de aportar algo novo à arte da dança'', afirma. Dos 17 movimentos que serão mostrados na Via Funchal hoje (e dia 26 em Belo Horizonte; 28 e 30, no Rio; 2 de abril, em Curitiba; e 3 e 4 de abril, em Brasília), o preferido de Gordeev é Pas de Quatre, de Cesare Pugni, com coreografia de A. Dolin. ''É uma das pérolas mais apreciadas de nosso repertório.''A Russian State Ballet foi fundada há cerca de 30 anos por Irina Tichomirova, primeira bailarina do Ballet Bolshoi e diretora da Sociedade Filarmônica de Moscou. Irina finalmente realizou seu sonho em 1979, na experiência de seus 62 anos, com um time de profissionais do primeiro escalão vindos de companhias do porte de Kirov, Bolshoi e Stanislavski. ''A semelhança entre os grandes grupos russos de dança está na identidade da escola de dança clássica e na fidelidade à orientação acadêmica no balé. Alguns artistas do Russian State Ballet passaram a trabalhar no Bolshoi e Mariinsky, e vice-versa. Poderíamos dizer que somos ''do mesmo grupo sanguíneo'''', opina Gordeev.Consta no site do Russian State Ballet que figuras ilustres como o ex-presidente americano Ronald Reagan e o ex-secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética, Mikhail Gorbachev, já prestigiaram a companhia, e que diversas cidades dos Estados Unidos, França e México elegeram o corpo de baile como cidadãos honorários - em New Orleans chegaram, até mesmo, a instituir um feriado facultativo denominado ''The Russian State Ballet Day'' (Dia do Russian State Ballet).Para integrar a companhia tida como uma das maiores do mundo não é tão simples. O bailarino deve estar disposto a enfrentar uma rígida disciplina e características físicas específicas, do tipo altura mínima, forma do corpo, linhas de braços e pernas previamente estabelecidas. ''Em primeiro lugar, o interessado deve ter bem claro em mente qual é a orientação de nosso teatro. Deve estar disposto a trabalhar de forma permanente durante um longo tempo para adquirir as capacidades técnicas indispensáveis. Deve amar o balé clássico e sua profissão'', detalha o diretor artístico. ''Estamos sempre dispostos a examinar, com a melhor boa vontade, os candidatos que desejam apresentar-se para trabalhar conosco.''Serviço Russian State Ballet. Via Funchal (3.203 lug.). R. Funchal, 65, 3897-4456 e 3188-4148. Hoje, 21h30. R$ 40 a R$ 150

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.