As complexas relações entre a barbárie e a civilização

Segundo o filósofo francês Edgar Morin, a Europa tem duas faces contraditórias. Ao mesmo tempo que exerceu, durante cinco séculos, um dominação bárbara sobre outros povos, ela foi a propagadora do saber científico, além de ideais que visavam a emancipar os homens da opressão. Traduzido por Daniela Cerdeira, Cultura e Barbárie Européias reúne três conferências realizadas por Morin, de 87 anos, em maio de 2005. Em resumo, ele defende a noção de que é preciso estudar a complexa relação entre civilização e barbárie a fim de evitar a violência. Morin diz que as trágicas experiências do século passado são uma oportunidade para a formação de uma nova consciência humanista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.