NILTON FUKUDA|ESTADÃO
NILTON FUKUDA|ESTADÃO

Artista Dalton Paula é premiado na SP-Arte e escalado para a 32ª Bienal

Pintor, que representa negros sobre capas de enciclopédias, tem mostra solo na feira, que vai até domingo, 10

Camila Molina, O Estado de S. Paulo

07 de abril de 2016 | 04h00

Dispostas em bases de madeira, antigas enciclopédias têm suas capas transformadas em pequenas telas nas quais mulheres e homens negros, alguns deles, índios, são retratados com tinta a óleo. Em algumas dessas obras, expostas no estande da Sé Galeria na SP-Arte, inaugurada nesta quinta-feira, 7, para o público, as figuras estão sobre um bonito fundo chapado azul – e em outras, o suporte virgem dos livros recebeu imagens de personagens que, segurando ervas medicinais, parecem pertencer a muitas histórias. De uma forma delicada e ao mesmo tempo contundente, o pintor Dalton Paula conta que suas criações propõem, metaforicamente, um processo de “cura” – “a cura simbólica de uma imagem estereotipada sobre a condição do negro”.

"Ainda acho que são poucos os artistas que tratam da questão de raça”, afirma Dalton Paula, que também trabalha, desde 2004, como bombeiro em Goiânia. Mas, é verdade, tem sido um momento tão especial em sua carreira artística que ele já até considera largar o outro ofício – além de receber nesta quinta-feira, 7, o Prêmio Illy Sustain Art da SP-Arte/2016, (no valor de R$ 20 mil), o artista, de 33 anos, acaba de ser escalado para a 32.ª Bienal de São Paulo, que será inaugurada em setembro (leia mais abaixo).

Na última terça-feira à tarde, enquanto a 12.ª feira de arte de São Paulo ainda estava em montagem no Ibirapuera, todas as pinturas de Dalton Paula do estande da Sé Galeria já haviam sido vendidas, segundo a galerista Maria Montero. Mas a felicidade daquele dia para o artista não parava por aí – poucas horas antes, o pintor tinha realizado sua primeira reunião com a equipe da 32.ª Bienal, que tem curadoria-geral de Jochen Volz. “É uma aposta muito firme”, comentou a curadora Júlia Rebouças, sobre o convite para o evento, considerado um dos mais importantes do calendário das artes mundial.

Desde 2014, quando realizou sua primeira exposição individual em São Paulo, na Sé Galeria, no centro da cidade, e participou da mostra Histórias Mestiças, apresentada no mesmo ano no Instituto Tomie Ohtake, a produção de Dalton Paula vem sendo identificada por suas pinturas que trazem negros retratados sobre volumes de enciclopédias, uma pesquisa inspirada nas fotopinturas do Nordeste. “Nessa prática popular, as imagens possibilitam sonhos e desejos, já que uma pessoa sem posse pode ser colocada com roupa bacana e joias”, exemplifica o pintor. Inspirado nesse procedimento do edição, Dalton transforma homens e mulheres da raça negra em “protagonistas”, representando-os em um suporte relacionado ao “conhecimento eurocêntrico e erudito”. “O trabalho fala desse paradoxo”, define.

Entretanto, Dalton Paula, formado em artes visuais na Universidade Federal de Goiás, tem uma produção artística intensa, com experimentações nos campos da fotografia e da performance, assim como uma importante história de perseverança. Quem poderia imaginar que até pouco tempo atrás o próprio pintor vendia suas obras por R$ 100 com o intuito de arrumar dinheiro para comprar suas telas e tintas?

“Uma vez pedi R$ 140 por uma pintura de 50 cm X 70 cm emoldurada de um vaso de copo de leite, mas a pessoa chorou, chorou e caiu para R$ 100”, lembra, divertidamente, Dalton Paula. “Esses livros mesmo (como os da série que está agora na SP-Arte), já vendi com desconto por R$ 70”, conta ainda o pintor, que oferecia suas criações para colegas de trabalho de sua mãe, familiares e amigos, inclusive, bombeiros.

Nascido em Brasília, Dalton Paula prefere dizer que é um artista goiano. “Minha formação foi em Goiás”, explica, e, desde 1990, quando sua mãe, funcionária pública, passou em um concurso e sua família teve de se mudar para Goiânia, ele não quis mais sair de lá. “Fui um dos motivadores para ficarmos.”

Na adolescência, quando cursou aulas de desenho na escola do Museu de Arte Contemporânea da capital goiana, suas criações tinham como temática a cultura popular - como festas e referências à congada, por exemplo. “Minhas obras eram enquadradas como naif”, diz o artista, que foi premiado em 2008 na Bienal de Arte Naif do Sesc, realizada em Piracicaba.

Agora, qualquer classificação sobre a produção artística de Dalton Paula é reducionista. “Nos interessa muito o Dalton pintor, a maneira como ele articula matrizes diferentes”, afirma a curadora da 32.ª Bienal, Júlia Rebouças. No caso da edição do evento, ele apresentará um trabalho inédito, Rota do Tabaco, que vai tratar de escravidão, mas também do caráter medicinal das plantas. Por ora, o artista já fez pesquisas em Cuba e em Piracanjuba (GO) e a Fundação Bienal de São Paulo vai comissionar sua ida a Cachoeira, na Bahia, para a realização da obra. 

Lista da 32ª Bienal de São Paulo sairá neste mês

Os curadores da 32ª Bienal de São Paulo, intitulada ‘Incerteza Viva’ e marcada para ocorrer entre 10 de setembro e 12 de dezembro de 2016, pretendem anunciar a última lista de artistas da edição – na qual está Dalton Paula – na segunda quinzena deste mês. “Acho que, no final, teremos menos de 90 artistas na Bienal”, disse a curadora Júlia Rebouças. Em dezembro, a equipe curatorial apresentou 54 artistas e coletivos de 30 países já confirmados para a mostra. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.