Artista chileno cria obra sobre pena de morte

O Chile vai denunciar a pena de morte na 53ª Bienal de Veneza por meio da obra do artista Iván Navarro. Ele realizará uma instalação utilizando eletricidade e luzes "impactantes", como definiu Antonio Arévalo, curador da participação chilena no mais tradicional evento de arte, cuja 53ª edição será inaugurada em junho. O Chile terá um pavilhão de 300 mc² dedicado à obra de Navarro, artista que vive em Nova York e é um especialista em instalações com luzes. "Ele mostra o bem e o mal que pode ter a eletricidade", disse o curador - Navarro usa todos os tipos de objetos em suas obras, como cadeiras elétricas e portas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.