AP /Rafal Yaghobzadeh
AP /Rafal Yaghobzadeh

Arco do Triunfo começa a ser embrulhado como parte de instalação de arte em Paris

Monumento ficará embrulhado por uma embalagem plástica reciclável azul até outubro 

AFP, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2021 | 08h35

Centenas de metros quadrados de tecido de polipropileno reciclado de cor azul prateado começaram a ser desdobrados, neste domingo, 12, em um dos lados do Arco do Triunfo, dando início à etapa final do "embrulhamento" do monumento parisiense, obra póstuma do artista Christo (1935-2020). 

De 18 de setembro a 3 de outubro, o sonho de juventude do artista plástico búlgaro e de sua esposa, Jeanne-Claude, vai se tornar realidade: o monumento de 50 metros de altura será inteiramente coberto com 25 mil m2 de tecido, amarrado por 3 mil metros de corda vermelha, como num pacote de presente.

Os preparativos começaram no final de junho e continuam a todo vapor sob a direção de Vladimir Yavachev, sobrinho de Christo, com o apoio do Centro de Monumentos Nacionais.

"Será como um objeto vivo que ganhará vida com o vento e refletirá a luz", explicou Christo ao apresentar seu projeto final, dois anos antes de sua morte. 

Com um custo de 14 milhões de euros (US$ 16,5 milhões), o projeto é totalmente autofinanciado com a venda de obras originais de Christo: desenhos preparatórios, lembranças, maquetes e litografias.

Em 1985, Christo já havia empacotado a Pont-Neuf, uma das pontes parisienses que cruzam o rio Sena. 

Desta vez, após semanas de preparação, uma equipe de 95 especialistas em cordas desenrolou, no domingo, do alto do Arco do Triunfo, o primeiro rolo de tecido, no lado voltado para a Avenida de Wagram. 

O processo de embalagem seguirá dia e noite até ficar pronta no dia 18 de setembro, dia da inauguração.

"Hoje é um dos momentos mais espetaculares da instalação. O Arco do Triunfo embalado está começando a ganhar vida e se aproxima da visão do que foi o sonho de uma vida para Christo e Jeanne-Claude", comentou Yavachev, supervisionando o projeto. 

Para Bruno Cordeau, administrador do Arco do Triunfo, "acompanhar a instalação de uma obra como esta, nas atuais circunstâncias, é mágico".

"A embalagem da Pont-Neuf foi um momento fora do comum. É isso que vamos vivenciar aqui mais uma vez. Cuidamos para que o Arco do Triunfo seja devidamente protegido, principalmente porque o monumento ainda está aberto ao público", acrescentou Cordeau.

"O Arco do Triunfo não é um monumento como os outros. É o da harmonia nacional. É também um lugar de cultura. A obra de Christo tem a elegância e a humildade de ser efêmera. Ao cabo de duas semanas, ela vai desaparecer", sublinha o administrador do Arco, que associou ao projeto o Comitê da Chama e de ex-combatentes.

Além das consequências da pandemia, o projeto foi adiado por causa do período de construção de ninho de peneireiros-vulgar, que vivem há muito tempo no Arco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.