Pascal Rossignol|Reuters
Pascal Rossignol|Reuters

Após inundações em Paris, Louvre reabre para visitação

O museu calcula que seu fechamento durante quatro dias tenha provocado uma perda de mais de 120 mil visitantes

Redação, EFE

09 de junho de 2016 | 10h35

O Museu do Louvre reabriu suas portas nesta quarta-feira, 8, depois de ser obrigado a fechar por conta da cheia do Rio Sena para salvar os materiais armazenados nos porões.

"Durante este episódio de cheia, não constatamos infiltração no palácio", informou a diretoria do museu mais visitado do mundo através de um comunicado. O museu calcula que seu fechamento durante quatro dias tenha provocado uma perda de mais de 120 mil visitantes e de um total aproximado de 1,5 milhão de euros.

O Louvre fechou na sexta-feira passada como medida preventiva perante a elevação de 6,10 metros do nível das águas do Sena, que cobriram as calças e os píeres próximos ao rio.

Entre quinta-feira à noite e sábado de manhã, quando alcançou o pico da cheia, 35 mil das 152 mil obras que estavam em zonas possivelmente inundáveis foram retiradas para evitar riscos. No sábado, quando o nível da água começou a descer, a transferência das obras foi paralisada.

O Louvre especificou que o Departamento de Artes do Islã continuará fechado até que todas as peças retiradas voltem, já que muitas delas são guardadas em vitrinas.

Tudo o que sabemos sobre:
Museu do LouvreRio SenaParis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.