Reprodução
Reprodução

Após 245 anos, museu alemão 'descobre' ter obra de Rembrandt

Quadro foi atribuído a pintor errado desde 1772

Ansa Flash

16 Fevereiro 2017 | 16h26

O museu Herzog Anton Ulrich, que fica em Braunschweig, na Alemanha, descobriu que tinha em seu acervo um quadro do artista holandês Rembrandt van Rijn. A "descoberta" foi feita 245 anos após o desenho ter chegado ao local.

O quadro "The Braunschweig terrier" era atribuído, desde que foi comprado em 1772, ao pintor alemão Johann Melchior Roos e foi exposto por anos com o "autor errado".

O erro só foi descoberto há cerca de um ano, quando o coordenador para desenhos e gravuras do museu, Thomas Doring, estava fazendo um trabalho para digitalizar as obras do acervo.

O número 719 do inventário levantou suspeitas pela qualidade.

Em entrevista ao jornal "Bild" nesta quarta-feira (15), Doring afirmou que apenas um pintor poderia fazer uma obra "com sonâmbula segurança".

"A ousadia dos traços, as variações de sombras e o olhar expressivo são idiossincrasias do trabalho de Rembrandt", comentou o diretor.

Após levantar a suspeita, Doring buscou especialistas em outros países para confirmar sua tese e três deles concordaram sem dúvidas de que se tratava de uma obra de do artista holandês.

Uma das bases para a comprovação é de que o desenho é muito similar ao cão retratado por Rembrandt em outra obra, "The Night Watch", de 1642. No entanto, não será possível determinar com precisão como a pintura com carvão chegou ao local. O que se sabe, é que em 1772, o museu - que foi inaugurado em 1754 - comprou uma herança de família com 200 desenhos de animais e é possível que essa obra tenha chegado ali nessa ocasião.

Segundo Doring, é provável que o desenho seja uma espécie de modelo para telas sucessivas pintadas pelo holandês. Agora, o cão de Rembrandt será exposto ao público em uma mostra especial, que será inaugurada no dia 6 de abril. (ANSA)

 

Mais conteúdo sobre:
Rembrandt Arte

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.