''Apelo ao sucesso fácil é um erro constante''

Ed Motta, CANTOR E COMPOSITOR

, O Estadao de S.Paulo

14 de fevereiro de 2009 | 00h00

Cantor, compositor, arranjador e produtor, Ed Motta despontou na cena carioca nos anos 80. Seu disco de estreia, Conexão Japeri (1988), traz sucessos que o acompanham até hoje, como Manuel, Vamos Dançar e Um Love. Seu disco mais recente é Chapter 9, gravado em inglês. "Eu gosto de variar", diz ele, dando a pista de seus gostos musicais. Little Richard, Chico Buarque, Noel Rosa, João Nogueira - esses e muitos outros nomes se misturam abaixo em sua lista de preferências. Em tempo: Ed Motta dá aula show na terça-feira, parte da programação da Sala do Professor Buchanan?s, no Bourbon Street.Qual disco ou música mudou sua maneira de ver o mundo? Acho que a música popular, embora devesse, não tem tanto poder assim. Apesar disso, eu posso falar de alguns momentos decisivos. Por exemplo: o lancinante Lucille, do Little Richard, no final da década de 50, definindo claramente para mim a fronteira entre música negra e o resto, e que me emociona até hoje; o LP coletivo, só de partido-alto (''Olha o partido aí''), comemorativo dos 40 anos da Mangueira , definindo meu engajamento nessa vertente fundamental do samba; o disco de lançamento do grupo musical da Velha-Guarda da Portela, em 1970, que me trouxe de volta muita coisa que eu tinha perdido...Que artista mais influenciou sua carreira? Não sei se influenciaram, mas Geraldo Pereira e Moreira da Silva me marcaram bastante.Qual disco ruim você adora ouvir, mas tem vergonha de dizer? Eu ouço muita coisa não convencional, como rumbas, boleros, música caribenha em geral. Mas música ruim, mesmo, eu jogo fora. Num longo período em que fui jurado de um importante prêmio de música, eu identificava a brabeza no primeiro acorde. Aí, lixo! Qual disco ou artista que você não acha tão bom, mas que todo mundo acha? Chico Buarque.Qual disco você comprou levado pela opinião alheia e odiou? O último da Rosa Passos. Comprei achando que tinha o balanço dos anteriores, mas só tinha bossa-nova melosa.Que música de outro você gostaria de ter composto? Todos os sambas do Chico. Daqueles tipo O Meu Guri.Qual disco de sucesso deixa você com inveja por não tê-lo feito?De sucesso, está difícil. Mas tem um CD do saudoso João Nogueira, com o pianista Marinho Boffa, de 1995, produzido pelo também saudoso Almir Chediak, que me dá inveja. Mas sabe qual é o repertório? Só sambas do Chico.Qual clássico da MPB você acha que não merece esse título?Rosa, do Pixinguinha. Qual canção considerada clássica mereceria uma letra melhor? Essa mesma Rosa, letrada por um certo Otávio de Souza.Qual disco você acreditou que seria ótimo e frustrou suas expectativas? Um da pianista Eliane Elias.Qual disco fez você passar a noite em claro analisando o que ouvia?Esse ainda está para acontecer. Mas o disco Tendinha, do Martinho da Vila, de 1978, quando chegou lá em casa, quase furou de tanto tocar.Qual você nunca deixa de ouvir? Por quê?Aqui em casa, dia que se tem tempo e tranquilidade para ouvir música e tomar uma cerveja é sábado. Aí, tem que rolar o CD de choros do Moacyr Santos, interpretados pelo saxofonista Zé Nogueira; os do Wilson das Neves com Os Ipanemas; um feroz da Spanish Harlem Orchestra; outros da série Hecho em Cuba... E quando dá saudade do samba de verdade, a gente ouve o Tantinho cantando sambas-de-terreiro da Mangueira. Você é mais Caetano Veloso ou Chico Buarque? Maria Bethânia ou Gal Costa? Por quê?O Chico é menos internacional do que o Caetano. Agora, das cantoras, na verdade sou mais a Alcione.De qual compositor(a), grupo ou cantor(a) você tem todos os discos? Eu gosto de variar. Mas, por conta daquele tal prêmio de que eu falei antes, guardei muitos discos, ótimos, da Rosa Passos e da Leny Andrade.Qual unanimidade da MPB sobre a qual você não tem o menor interesse? Todo o universo do pop, principalmente esses roqueiros infantilizados mas metidos a intelectuais.Qual a melhor e a pior regravação de um clássico da MPB? Entre as melhores, Zé Renato cantando Chão de Estrelas. A pior, Luar do Sertão com Chitãozinho e Xororó.Aponte um disco que considera um clássico instantâneo. Fátima Guedes, Outros Tons, lançado em 2008.E outro, lançado nos últimos dez anos, que está entre os melhores de todos os tempos. De Letra & Música, com Nei Lopes e convidados.Qual artista ou banda badalada pela crítica que você considera inferior? Todos os do chamado BRock.Qual foi o show que mais marcou sua vida?O Tendinha, do Martinho. Esse foi show, mesmo, e não recital ou concerto.De qual cantor(a) ou grupo brasileiro você jamais compraria um disco?Da Banda Calypso.Quem você acha que jamais deveria ter gravado um disco? Leandro & Leonardo e todos os similares.Qual a pior música de todos os tempos? E o pior disco de MPB?Aquela do "fogão Dako". E disco, tem muita coisa ruim. Qual artista, na sua opinião, começou mal a carreira discográfica e depois deslanchou? Beth Carvalho.Qual cantor(a) é melhor do que os discos que grava? Um compositor não pode ser tão sincero assim.Qual compositor de talento não deveria gravar as próprias canções? Tom Jobim, cantando.Qual o erro mais constante - e que jamais cometeu ou cometeria - em discos de artistas que você gosta?Apelo ao sucesso fácil. Que músico você admira por combinar atitude e qualidade artística?Noel Rosa. Quais as qualidades que você preza na boa música?Ter melodia rica e letra bem construída, a partir de uma ideia inteligente. Pessoas que não seiZé Renato: sua versão para Chão de Estrelas é uma das maiores regravações da história da música brasileiraFátima Guedes: Outros Tons é clássico instantâneoChico Buarque: gostaria de ter composto seus sambas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.