Aos 78 anos, morre o escritor inglês J.G. Ballard

Autor de livros como O Império do Sol e Crash sofria de câncer desde 2006

, O Estadao de S.Paulo

20 de abril de 2009 | 00h00

O escritor inglês J.G. Ballard, conhecido por livros como O Império do Sol e Crash, morreu no domingo, aos 78 anos, três anos após ser diagnosticado com um câncer de próstata. "Ele estava muito doente e morreu ao lado da família", disse sua agente Margareth Hanbury. A causa da morte não foi divulgada.Ballard nasceu em Xangai, na China, em 1930, onde seu pai trabalhava com o comério de algodão. Em 1942, um ano após os japoneses ocuparam Xangai, Ballard e sua família foram presos no campo de Lunghua, onde ficaram até 1945, alheios às notícias sobre o desenrolar da guerra. "Tenho lembranças da brutalidade que testemunhávamos de vez em quando, mas, ao mesmo tempo, éramos crianças que nos dedicávamos inteiramente a brincar o dia todo", contou o escritor.Depois da guerra, Ballard cursou dois anos de Medicina em Cambridge, antes de se alistar na Força Aérea Real Britânica. Trabalhou como vendedor de enciclopédias e como editor adjunto da revista científica Chemistry and Industry. Seu primeiro livro foi lançado em 1962, The Drowned World, que narra a história da decadência psicológica de um grupo de cientistas em uma Londres inundada por conta do aquecimento global. "Sou alguém que retrata a psicologia do futuro", disse.A experiência na prisão inspirou seu grande sucesso como autor, o livro O Império do Sol, lançado em 1984 e adaptado para o cinema por Steven Spielberg. "Aquela foi uma grande noite para um escritor. E um lembrete dos limites da palavra escrita", lembrou Ballard.Seus livros tinham como foco o "efeito negativo" da tecnologia sobre a humanidade. Ele rejeitava a crença de que os seres humanos estão em constante busca por aperfeiçoamento. "A visão iluminista da humanidade é um mito. Ela nos leva a acreditar que somos seres sãos e racionais, o que é uma mentira", disse o escritor em 2003. Bom exemplo dessa ideia é o romance Crash, de 1973, em que um grupo de pessoas alcança o prazer sexual a partir de acidentes de carros. O livro foi levado ao cinema por David Cronenberg.Em janeiro foi lançado no Brasil O Reino do Amanhã, em que Ballard sugere que o futuro "testemunhará o confronto de vastos sistemas de psicopatologias, todos eles desejados e deliberados, parte de uma tentativa desesperada de escapar de um mundo racional e entediado com o consumismo". Seu último livro, Conversations with My Physician: The Meaning, if Any, of Life (Conversas com Meu Médico: O Sentido da Vida, se É Que Ele Existe), foi finalizado em outubro de 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.