Antes do show, no hotel, maior atração foi Lourdes Maria

O terceiro dia de Madonna no Rio começou tarde para a cantora. Ou pelo menos para alguma sósia da estrela do pop mundial. Uma pessoa parecida com ela apareceu, às 11h02, na janela do sexto andar do Copacabana Palace, onde Madonna está hospedada com seu staff e mais duas sósias. Ela apenas olhou para ver a multidão que se aglomerava na porta do local. Se Madonna evitou aparecer, sua filha Lourdes Maria, de 12 anos, parece se divertir com a situação - ficou brincando com a cortina do quarto e apareceu na janela. Depois do esconde-esconde com os paparazzi, foi para a piscina, enquanto a mãe ensaiava com a equipe de bailarinos no salão de ginástica montado especialmente para ela. Lourdes é filha do personal trainer cubano Carlos Léon e, no sábado, circulou pelo hotel. Segundo um hóspede, a adolescente ficou conversando com uma equipe da revista W, que fazia um casting para um editorial de moda no Salão Nobre do hotel. Madonna deixou o hotel ontem por volta das 15h30, em um Audi preto, rumo ao ginásio do Maracanãzinho, que foi usado como camarim pela cantora e sua equipe. A comitiva deixou o hotel por uma entrada lateral, sem que os fãs pudessem ver a cantora. Batedores do batalhão de choque da Polícia Militar acompanharam a caravana.Muitos fãs e curiosos se aglomeraram na porta do Copacabana Palace para ver Madonna. Foi o caso do operador de telemarketing Douglas Pereira, de 21 anos, que desde sábado tenta ver a cantora de perto. "Hoje é o meu aniversário e não poderia me dar um presente melhor", conta ele. O cabeleireiro Aldo Reis, de 33 anos, se tornou fã da cantora quando uma emissora de TV apresentou um show dela. Isso foi em 1985 e só agora ele pôde ver a performance da estrela ao vivo. " Gosto da Madonna não só pela música, mas por ela ser uma das pioneiras a defender as causas de nós, homossexuais. Gostaria de ter o mesmo caráter dela." Já que a Madonna verdadeira não apareceu, os fãs se divertiram com Rinaldo Borba, cover da estrela que veio a caráter animar a multidão. Aos 30 anos de idade, ele começou a carreira há 14 e sobrevive imitando a artista em casamentos, formaturas e aniversários. "Isso aqui começou na brincadeira e acabei me tornando um profissional. O início foi difícil, nas boates gays, mas hoje em dia meu público é heterossexual. Sou a cover oficial de onde nasci, Santa Catarina", explica ele, que aproveitou para falar das enchentes que castigaram o estado: "Quero prestar uma homenagem a todas as pessoas que passaram por uma tragédia como esta. Estou aqui para dar alegria e, quem sabe, substituir um pouco a Madonna verdadeira, já que ela não quer sair do quarto, né?".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.