Ana Paula Arósio enfrenta dor do abandono em nova ''love story gay''

Murilo Rosa faz o amigo, também homossexual, em Como Esquecer, próximo filme de Malu De Martino

Luiz Carlos Merten, RIO, O Estadao de S.Paulo

10 de junho de 2009 | 00h00

Desglamourizada. Você nunca viu Ana Paula Arósio como ela vai aparecer em Como Esquecer, novo longa de Malu De Martino e Elisa Tolomelli. A dupla de Mulheres do Brasil encara o desafio de fazer um longa sobre homossexualismo. Qual é o desafio, já que o tema é frequente no cinema brasileiro? Pense em A Rainha Diaba, de Antônio Carlos Fontoura; em Madame Satã, de Karin Aïnouz. "O cinema usa sempre histórias e personagens homossexuais para retratar universos fatais e ou violentos. Nosso filme é gay, mais do que homossexual. Estamos mostrando o homossexualismo como uma opção de gente como as outras. Ninguém discute sua opção. As pessoas são, e pronto. A ideia é filmar o dia a dia, o sofrimento que o fim de uma relação causa, independentemente de ser hetero ou homo."Quem fala é a produtora Elisa Tolomelli e ela comemora o fato de ter contado com Ana Paula. A atriz, tão logo leu o roteiro, deu seu aval, sem se preocupar com as possíveis consequências para sua carreira. Afinal, Ana Paula é um objeto de desejo do público masculino, projeta uma imagem de glamour. Em Como Esquecer, ela parece acabada. Sofre como uma condenada. "Quer glamour?", a própria Ana Paula provoca o repórter do Estado. "Vai procurar na revista." No set, ela é essa mulher que se isola para curtir a dor de uma separação. Ela levou um pé da mulher que era o amor de sua vida, como diz seu companheiro de elenco, Murilo Rosa, que também faz um gay. "Levei um pé? Que coisa mais vulgar", exclama Ana Paula. O sofrimento que transmite é genuíno. Ana Paula saiu melhor do que a encomenda para a diretora Malu De Martino.Esse enfoque ?intimista? é o que também se propõe Aluizio Abranches em Do Começo ao Fim, em fase de finalização, sobre dois irmãos gays e incestuosos. São filmes que prometem fazer barulho. Malu De Martino concluiu no fim de semana a filmagem de Como Esquecer em Pedra de Guaratiba, a quase duas horas de distância do Rio. A cidade já foi point litorâneo nos anos 80. Hoje, perdeu o glamour - como a personagem de Ana Paula Arósio -, mas possui todos os requisitos que Malu e Elisa Tolomelli necessitavam. Tem mar, um píer muito bonito, tem rio. E tem essa casa que a produção metamorfoseou para transformar num personagem tão atuante na trama quanto os de Ana Paula e Murilo Rosa. Ele perdeu o companheiro, de aids. Ambos se apoiam. Num momento de carência, possuem uma cena íntima. Mas um e outro vão ter seus momentos com pessoas do mesmo sexo. Como Esquecer, o título, pode ser uma pergunta, mas aqui não há interrogação. É uma afirmação, portanto. Como esquecer? A vida vem.Ana Paula afirma que não filma tanto quanto gostaria. Ela tem o trabalho na TV, as campanhas publicitárias e, às vezes, mesmo quando o trabalho interessa, chega quando ela está comprometida com outros projetos. No caso de Como Esquecer, o timing foi perfeito. Ela podia fazer, e quis. O repórter lembra seu começo, com Walter Hugo Khouri. Forever, em 1990. "Ele foi um visionário. Viu do que eu seria capaz antes de qualquer outra pessoa, antes que eu mesma." Murilo Rosa, ao seu lado, no set, elogia. "A Ana é de uma concentração extraordinária. Ela vive a personagem com entrega. Era para sofrer? Ana foi fundo. Não importa quantas vezes seja preciso repetir a cena. Ela está sempre pronta."No dia em que o repórter visita o set, Ana, que tem uma casa na Barra, está se transferindo para Pedra de Guaratiba com os cachorros (dois). Ela vai ficar aqui, integrada ao restante da produção (e do elenco), à espera de sua cena homossexual (com Arieta Correa), que a diretora prometia rodar no maior sigilo, no fim de semana. Murilo vinha alternando a filmagem com a gravação de suas cenas na novela Caminho das Índias. O ator entrou na trama de Glória Perez para salvar o filho de Duda e Raj, Tânia Kalil e Rodrigo Lombardi, e já caiu no gosto do público. Falar de filho é com ele mesmo. Murilo não descuida de seu melhor papel, o de pai (na vida) de Lucas, seu filho com a modelo Fernanda Tavares, nascido em outubro de 2007. Malu De Martino e Elisa Tolomelli, diretora e produtora, dividem arte e vida. Elas se preocupam com o destino de seu filme. Na primeira vez que Como Esquecer surgiu na imprensa foi numa nota para dizer que o filme conta a história de ?uma sapatão?. Seria o mesmo que definir O Segredo de Brokeback Mountain, de Ang Lee, como a história de dois ?viados?! Elisa é uma das mais conhecidas produtoras do País. Além dos próprios filmes, é altamente qualificada como diretora de produção. Elisa bateu em várias portas, atrás de patrocínio. Ouvia sempre - "Que legal! Sucesso!" Mas nenhuma empresa quis ligar seu nome a um filme gay. Salvou-a o governo federal, por meio da Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres.Como Esquecer é uma adaptação da história autobiográfica de Miriam Campello. O roteiro demorou três anos - três! - para ser escrito. Elisa nunca se dava por satisfeita. Queria um roteiro não apenas bem escrito, mas verossímil, com cheiro de verdade. Quando Ana Paula Arósio, além de dar o sim, disse que se havia emocionado muito ao ler, Elisa sentiu que havia chegado lá. Ela forneceu a Malu De Martino uma equipe altamente qualificada. A equipe, essencialmente feminina - feminista? -, inclui a diretora de fotografia Heloisa Passos, que filma em super 16 mm, usando a lente Ultra Prime - mais comum em equipamentos para 35 mm - em busca de uma alta definição da imagem. Tudo é feito no capricho. Malu sabe que está ousando. "Na maioria das vezes, o homossexualismo feminino entra na tela para estimular o voyeurismo masculino, como uma fantasia dos homens. O sexo faz parte da nossa história, mas estou falando de afeto, de sentimentos. Se a personagem de Ana Paula estivesse sofrendo por um homem, não seria diferente. Chegamos a pensar na mudança, mas por quê? Miriam teve a coragem de escrever seu livro, que é muito bonito, muito verdadeiro. Espero fazer um filme à altura, tão sincero quanto o livro dela." A filmagem no Brasil já terminou. Como Esquecer terá agora mais uns dias em Londres, lá por agosto/setembro. Serão as cenas de Ana Paula com a ex, seus momentos de felicidade que serão vistos, não como flash-backs, mas filminhos domésticos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.