Alfaguara vai editar obra de Nabokov

Início será em setembro de 2009 com The Original of Laura, livro inacabado que autor não pretendia publicar

Ubiratan Brasil, O Estadao de S.Paulo

30 de outubro de 2008 | 00h00

Em seu testamento, o escritor Vladimir Nabokov (1899-1977) pediu que seu romance inacabado, The Original of Laura (O Original de Laura), fosse destruído depois de sua morte, pois detestava a idéia de seus leitores verem uma obra que ele havia completado "em sua mente" mas não no papel. Seu desejo não só não foi realizado como The Original of Laura será publicado mundialmente em setembro de 2009, fato que vai marcar o ressurgimento da obra de Nabokov no Brasil, agora pela editora Alfaguara."Tivemos o privilégio de receber o direito exclusivo da publicação", orgulha-se Roberto Feith, presidente do grupo que inclui a Alfaguara. "Serão 12 títulos, entre já conhecidos e inéditos no mercado brasileiro, todos com nova tradução."Nabokov começou a escrita de The Original of Laura em 1974, então com o título Dying is Fun (Morrer é Divertido). Dois anos depois, rascunhou em seu diário que a história estava concebida em sua mente, mas a saúde precária o impedia de escrever. Quando morreu, Nabokov deixou 125 cartões de anotação, equivalentes a 30 páginas manuscritas. Perfeccionista, determinou a destruição do original, missão transmitida a Vera, sua mulher, e Dimitri, o filho.O material ficou guardado em um banco suíço, pois nenhum dos herdeiros teve coragem de cumprir o desejo do escritor. Com a morte de Vera em 1991, a tarefa sobrou para Dimitri, única pessoa a ter a ter visto o manuscrito inteiro e cujas observações sempre alimentaram a curiosidade dos fãs - segundo ele, trata-se do mais "brilhante, original e potencialmente radical" escrito por Nabokov. Até o momento, apenas alguns trechos foram publicados pela imprensa européia, como o semanário alemão Die Zeit, que divulgou em agosto. Bastou o aperitivo para que fosse apontado por alguns como mais um clássico de Nabokov.Tamanho cuidado é justificável: Dimitri tenta evitar o mesmo tratamento recebido por Lolita, uma das mais importantes obras de Nabokov. Lançado em 1955 e aclamado como um dos mais controvertidos romances contemporâneos, o livro trata do relacionamento entre uma garota e um homem maduro. Dependendo do ponto de vista, pode ser a história da menina que destrói a carreira de um professor ou, por outro lado, a de uma criança inocente que cai vítima da luxúria de um maníaco sexual envelhecido."Nabokov tinha um estilo muito elegante, fluente", comenta Feith. "Não era barroco, hermético, difícil, e mantinha um lugar especial na literatura russa, embora tivesse escrito também em inglês depois de ter emigrado para os Estados Unidos."No planejamento da lançamento da obra pela Alfaguara, Feith revela que o segundo livro será uma coletânea de contos. Trata-se de uma compilação de textos, mais da metade ainda inédita, feita por Dimitri e que já publicada em quatro volumes no exterior.O terceiro livro a ganhar versão nacional será The Real Life of Sebastian Knight, que foi editado no Brasil há 27 anos e, desde então, não voltou mais às prateleiras. Lançado em 1941, trata-se da primeira grande obra de Nabokov publicada originalmente em inglês e mostra como o narrador V. está absorvido com a biografia de seu meio-irmão, o escritor Sebastian Knight. "É um romance sobre identidade", comenta Feith, que pretende publicar em média um livro de Nabokov a cada 75 dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.